Papa diz a jornal que pediu reunião com Putin sobre Ucrânia

Pontífice quer interromper guerra entre os dois países

 

O papa Francisco disse hoje (3), em entrevista publicada no jornal italiano Corriere Della Sera, que solicitou uma reunião em Moscou com o presidente russo, Vladimir Putin, para tentar interromper a guerra na Ucrânia, mas não recebeu resposta.

O papa também afirmou que o patriarca Kirill, da Igreja Ortodoxa Russa, que deu apoio total à guerra, “não pode se tornar coroinha de Putin”.

Francisco, que fez uma visita sem precedentes à embaixada russa quando a guerra começou, disse ao jornal que, cerca de três semanas após o início do conflito, pediu ao principal diplomata do Vaticano que enviasse uma mensagem a Putin.

A mensagem era “que eu estava disposto a ir a Moscou. Certamente, era necessário que o líder do Kremlin permitisse uma abertura. Ainda não recebemos uma resposta e continuamos insistindo”.

“Temo que Putin não possa e não queira ter essa reunião neste momento. Mas como você pode não parar com tanta brutalidade?”

Antes da entrevista, Francisco, de 85 anos, não havia mencionado especificamente a Rússia ou Putin publicamente desde o início do conflito, em 24 de fevereiro. Mas ele tem deixado poucas dúvidas sobre sua posição, usando termos como agressão e invasão injustificadas e lamentando as atrocidades contra civis.

Questionado sobre uma viagem à capital ucraniana Kiev, que Francisco disse no mês passado ser uma possibilidade, o papa disse que não iria por enquanto.

“Primeiro, tenho que ir a Moscou, primeiro tenho que encontrar Putin. Faço o que posso. Se Putin ao menos abrir uma porta”, acrescentou.