Municípios do RN caem no ranking de produção de camarão, diz IBGE

Municípios que perderam posição no ranking são os principais produtores do estado. Valor do camarão do RN, no entanto, segue como o maior do país.

 

As cidades do RN que mais produzem camarão perderam posições no ranking nacional entre 2020 e 2021. É o que aponta Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), que foi divulgada nesta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os municípios potiguares que perderam posição foram: Pendências, Canguaretama, Arez, Senador Georgino Avelino, Mossoró e Nísia Floresta – eles foram superados por municípios cearenses.

Município que liderou o ranking brasileiro em 2018 e 2019, Pendências registrou queda pelo segundo ano seguido e se tornou o terceiro maior produtor nacional de camarão em 2021.

O município acompanhou a tendência do RN, que teve diminuição de 800 toneladas na produção.

Valor agredado segue alto

 

A pequisa aponta que, embora a produção potiguar tenha sido cerca de 12 mil toneladas menor que a cearense em 2021, o valor da produção foi de cerca de R$ 600 milhões ao todo e ainda supera a do estado vizinho em cerca de R$ 30 milhões.

Segundo Elder de Oliveira Costa, tecnologista do IBGE responsável pela pesquisa no RN, o valor de produção do estado se destaca por ter mais valor agregado para exportação.

Segundo maior produtor

 

Com esses resultados, o Rio Grande do Norte permanece como segundo produtor nacional do crustáceo, com 21 mil toneladas de camarão para consumo e quase 8 bilhões de larvas e pós-larvas para reprodução.

Segundo análise do IBGE, esses números apontam que o setor se recuperou da crise do vírus da mancha branca, que chegou no estado em 2014.

Impulsionado por um grande aumento da produção em Aracati, Acaraú e Jaguaruana, o Ceará produziu 33 mil toneladas de camarão. Esse aumento elevou a produção nacional em 18%, em relação a 2020, para mais de 78 mil toneladas, a maior já registrada pela pesquisa.