Com as cores da Rússia, Mario Fernandes era o brasileiro que ainda pode vencer a Copa

A eliminação do Brasil deste Mundial jogou um peso inesperado nas costas de Mário Fernandes. O lateral-direito de 27 anos nasceu em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, e defende desde 2012 as cores do CSKA Moscou.

Há seis anos morando no país-sede da Copa do Mundo, naturalizou-se russo e, no sábado (7), defendeu a seleção que surpreendeu ao se classificar para as quartas de final após uma turbulenta preparação.

Uma caminhada que não para de produzir surpresas: no sábado, ele era o único brasileiro que ainda disputava o título da competição, com duas torcidas a seu favor.

Brasileiro vai de herói a vilão e pede desculpas no vestiário da seleção russa. Lateral Mário Fernandes marcou na prorrogação com um belo gol de cabeça. Mas desperdiçou pênalti. Uma história de novela.

Um dia após a eliminação do Brasil da Copa do Mundo para a Bélgica, um brasileiro teve a chance de sair das quartas de final como grande nome da Rússia. Mas, como se estivesse em uma montanha-russa, o lateral-direito Mário Fernandes, 27, passou de herói a vilão em um intervalo de menos de 20 minutos na noite de sábado (7), no estádio Olímpico de Sochi.

“Foi um momento de alegria pelo gol e depois tristeza pelo pênalti. Mas tinha que bater e não podia fugir da responsabilidade”, disse Mário, que revelou ter pedido desculpas aos companheiros no vestiário pela cobrança desperdiçada. “Tenho que pedir perdão. Errei e tenho de ser homem de assumir. Disseram que não tinha de pedir desculpa. Isso reforça que somos um grande equipe”, completou.

Da depressão ao sumiço na época do Grêmio, o jogador de breve e conturbada passagem pela seleção brasileira é idolatrado no time do coração de Vladimir Putin, presidente da Rússia.

O brasileiro era uma novidade na equipe do técnico Stanislav Cherchesov: foi convocado pela primeira vez em outubro de 2017 e atuou nos quatro jogos feitos até aqui pela equipe anfitriã.

Antes da convocação, o treinador também considerava levar mais um brazuca para o Mundial: o goleiro Guilherme Marinato, do Lokomotiv Moscou, preterido na relação final de 23 nomes. Ficou entre os sete atletas em “stand-by”.

Fernandes foi revelado pelo São Caetano, onde jogou entre 2006 e 2009, quando migrou para o Grêmio. Ficou três temporadas no clube gaúcho, onde fez 97 jogos e marcou três gols, até que uma oferta de 15 milhões de euros o levou para o clube russo, mudando para sempre o curso de sua carreira.