Adolescentes são recrutados para ataques no Ceará

Reportagem da Folha de S. Paulo revelou que, por meio de pagamentos de até R$ 1.000 ou forçados mediante ameaças, adolescentes da Grande Fortaleza estão sendo recrutados por facções criminosas para realizar os atentados que já duram 11 dias no Ceará.

Até a manhã da última sexta-feira (11), 110 das 309 pessoas identificadas em ataques eram menores de 18 anos, segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Mas muitas famílias relatam excessos nas apreensões.

“Veem um adolescente suspeito – sempre negros pobres da periferia – e apreendem. Depois que vão saber quem são”, diz a presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos, Beatriz Xavier. Entre os flagrados, há jovens de 13 anos. A maioria fica apreendida provisoriamente por ordem judicial, até que uma medida de internação seja dada, ou não.