Acesso de alegria: Após 5 anos parando na trave, América sobe para Série C

O purgatório da Série D chegou ao fim para o América. O clube potiguar que passou os últimos cinco anos batendo na trave no momento da decisão, agora foi favorecido com um gol cuja bola parece ter sido guiada por uma mão divina, após o chute de Téssio. O jogador americano que vinha travando um grande duelo com o goleiro André Lucas, arriscou um chute da altura da intermediária, a bola desviou na cabeça de um companheiro e tomou o rumo da rede, fora do alcance do bom goleiro gaúcho e decretou a vitória por 3 a 1, justamente a diferença que o Alvirrubro necessitava para se classificar. A sensação de dever cumprido é tão grande que para o treinador Leandro Sena a “ficha ainda não caiu”.

Aos gritos de “saímos para nunca mais voltar”, o atacante Elvinho, que comemorou muito a conquista, disse que eles conseguiram cumprir com o objetivo traçado no início da temporada, num ano em que o grupo chegou a ser desacreditado, devido aos problemas enfrentados no início da competição e que fez a diretoria optar por trocar três vezes o comando técnico. No fim o comando voltou para as mãos de quem mais merecia e Sena foi o maestro que conseguiu conduzir o clube a essa campanha vitoriosa dentro do Brasileirão.

“A sinergia que tenho com esse clube, com o qual eu já tive o prazer de conquistar o acesso como atleta, pode ser visto agora, com a conquista de mais um importante acesso dentro do Brasileirão. Após atuar pelo clube decidi fincar residência em Natal, onde  meu filho nasceu”, recorda Leandro Sena.

Parece que os deuses estavam mesmo traçando um caminho especial para o treinador, que vem tomando decisões acertadas desde a lá de trás. Leandro Sena afiançou a permanência do atacante Iago na equipe, que acabou marcando os dois primeiros gols e aproximando o clube da classificação ainda dentro do tempo normal de jogo. Numa espécie de premonição, falando sobre a chegada e a estreia do atleta, ele disse o seguinte.

“Iago chegou para somar junto ao nosso grupo. É um bom jogador, conheço ele desde os tempos das bases. Nós trabalhamos juntos naquele título sergipano conquistado pelo Confiança e sei que se trata de um bom jogador. Ele teve um bom início de carreira, andou passando por alguns clubes, se perdeu um pouco na direção do caminho que havia de trilhar, não vinha sendo bem utilizado no Campinense e chegou para nos ajudar. Tenho certeza de que ele irá reencontrar o seu melhor futebol aqui e será muito útil ao América”.

Leandro Sena lembrou que muita gente criticou a contratação de Iago, mas ele disse que tinha a convicção que após a saída de Thiaguinho e, dentro daquilo que o mercado da Série D poderia oferecer, Iago seria a nossa melhor opção por ser um jogador de força. “Ele oscilou, sofreu com lesões, mas eu sempre confiei no potencial dele”, reforçou.

Outra decisão importante tomada pelo comandante do novo acesso alvirrubro, foi a de aceitar retomar o comando do clube, depois que a diretoria optou por trocar de treinador após o início meio trôpego da equipe.

“A conquista do acesso da forma como ocorreu, realmente, foi bastante emocionante. A oscilação da equipe durante toda disputa do Brasileiro, nos levou a um instante dentro da última rodada da primeira fase, onde estivemos ameaçados de ficar de fora da segunda fase, mas conseguimos nos recuperar frente ao Sousa, na Paraíba, e acabamos conseguindo passar com a segunda colocação no grupo.  Depois nós encontramos uma forma de jogar e tivemos uma superação muito grande para chegar a essa conquista. Tem a minha participação, mas os nossos atletas foram fundamentais. Eles abraçaram as nossas ideias, assim como a direção do clube que decidiu apostar no meu nome para terminar o trabalho”, afirmou.

Na visão do treinador, o equilíbrio emocional que o América apresentou na partida decisiva, principalmente depois que o Caxias largou na frente e conseguiu ampliar a vantagem que já tinha, deixando o América com basicamente trinta minutos para decidir o destino dentro da competição, foi fundamental.

“Eles não perderam o foco e nem tiraram da mentalidade que seríamos capazes de inverter a situação. Nós estávamos mentalmente muito fortes para buscar o acesso, em nenhum momento fraquejamos ou chegamos a duvidar de que poderíamos atingir o nosso objetivo final”, disse.

Araújo disse que jamais desconfiou das chances

O meio-campista Araújo, que chegou a desconfiar de que poderia voltar a defender o América ainda dentro do Brasileirão, conseguiu se recuperar de uma lesão muscular grave em tempo recorde e destacou que Deus quis que estivesse em campo justamente no dia em que o clube, enfim, carimbou o passaporte para deixar a Série D.

O jogador ressaltou que ao receber o diagnóstico e ver em blogs e jornais que estaria fora da temporada, decidiu não falar sobre a sua contusão e se recolheu ao tratamento e a sua fé religiosa.

“Quando todos diziam que eu estaria fora da temporada, optei por não falar sobre o assunto. Me apeguei a Deus e iniciei um trabalho de recuperação duro, que levou bastante tempo de dedicação dos profissionais de fisioterapia e dos médicos. Finquei na minha fé e apenas trabalhei para voltar o mais rápido possível. O Motora (apelido do motorista da van que leva os atletas ao CT de Parnamirim) é testemunha, eu sempre disse que esse seria o ano do acesso americano e agora nós estamos podendo comemorar isso. O América é muito grande para ficar na Série D, todos fomos premiados com uma bela vitória”, comemorou.

Araújo que atuou todo o primeiro tempo e depois saiu no intervalo para dar lugar a Téssio, que terminou se transformando no herói da classificação, ao marcar o terceiro gol da partida e assegurar o placar que o clube potiguar necessitava para conquistar a classificação de forma direta, comemorou o fato de ter resistido atuar em alto nível e deixar o campo apenas por cansaço.

“Na partida eu não senti nenhum problema relacionado a contusão. O que me faltou foi o ritmo de jogo. Mas agora que já estamos classificados iremos mirar a conquista do título. De minha parte vou continuar realizando o tratamento para estar presente na demais partidas”, ressaltou o meio-campista americano.

O fato que abrilhantou mais a conquista, na ótica do meio-campista alvirrubro, que até sair no primeiro jogo do mata-mata contra o Moto Club, em Natal, vinha se constituindo numa das principais peças da equipe, foi que muita gente desconfiou da qualidade e da força de vontade desse elenco e, no fim, teve de engolir muitas das injustiças com a conquista do tão sonhado acesso.

Wallace, agora, mira o título do Brasileirão 

Artilheiro do América no Brasileirão e jogador muito importante na campanha do acesso, Wallace Pernambucano não conteve a emoção após o final da batalha contra o Caxias, superado após uma virada sensacional do clube potiguar 3 a 1, na Arena das Dunas. Ainda dentro do gramado, o atacante que fez uma nova declaração de amor ao Alvirrubro, deixou claro, que após o acesso, a meta dele agora será conquistar um título nacional com a camisa americana.

“É muito difícil encontrar palavras, trabalhamos forte e sofremos calados todos os dias de preparação e agora, graças a Deus conseguimos esse acesso. O carinho que tenho pelo América não existe com expressar neste momento de grande emoção. O trabalho que dizemos no dia a dia, desde aquela grande virada contra o Sousa, na Paraíba. Foi uma estrada muito difícil, mas os atletas combinaram que íamos chegar forte à fase decisiva. Deus não abandona o povo que trabalha e, tenho certeza de que ele se fez presente na Arena das Dunas, onde nós acabamos deixando o campo classificados”, afirmou.

No momento de grande emoção, o jogador que é o mais velho do elenco e já vê o final da carreira se aproximar, revelou um pouco do sacrifício que teve de realizar para poder estar em campo no domingo e ajudar os companheiros nessa grande conquista.

“Eu tive de ser poupado de alguns treinamentos para poder estar em campo na decisão, mas o América é isso aí. O jogador que chega tem de saber que deve dar o sangue dentro de campo para conquistar os objetivos. Graças a Deus, repito, conseguimos obter a nossa meta e garantir a festa dessa torcida maravilhosa, que nos apoiou do primeiro ao último segundo de partida”, destacou.

Se já existe um clima de satisfação com a conquista de uma vaga de acesso na Série C do próximo ano, agora, na opinião do artilheiro, chegou o momento de se buscar um passo ainda mais ousado: a conquista do título brasileiro.

“Agora a gente já tem de pensar no título e eu quero a conquista de mais um Campeonato Brasileiro para minha história como jogador de futebol. Sempre deixei claro que o meu desejo é ser campeão de algo grande com a camisa americana para deixar o meu nome definitivamente escrito na história desse clube”, salientou.