Zelensky afasta possibilidade de eleições enquanto durar guerra

Volodymyr Zelensky
© Ukrainian President's Office via ZUMA Press Wire Service/dpa

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pronunciou-se pela primeira vez, categoricamente, contra a possibilidade de realizar as eleições que estavam marcadas para o próximo ano, enquanto durar a guerra.

“Acho que agora não é momento para eleições”, disse ele em discurso à nação nesta segunda-feira (6). Seu mandato presidencial termina em 31 de março de 2024.

Zelensky pediu para se evitar “tudo o que envolva divisão política”, argumentando que é preciso um foco na “defesa” do país e na “batalha” que decidirá “o destino do país e do povo”.

Ele apelou para que o país não caia no pessimismo e em conflitos internos, alertando que isso só é bom para a Rússia.

“E se for preciso acabar com isso ou com a disputa política e continuar trabalhando apenas na unidade, então o Estado tem estruturas capazes de acabar com isso e dar à sociedade todas as respostas necessárias para que não haja espaço para conflitos e jogos de outras pessoas contra a Ucrânia”, disse o chefe de Estado.

Zelensky fez estas declarações dias depois de o seu antigo conselheiro Oleksí Arestovich ter pedido que o pleito não fosse adiado e ter anunciado a sua intenção de concorrer às eleições presidenciais.

Arestovich tem sido, nos últimos meses, muito crítico da administração Zelensky e afirma ter sido alvo de pressões e ameaças por isso.

No discurso desta segunda-feira, o presidente ucraniano descreveu como “totalmente irresponsável” e “frívolo” lançar a questão das eleições “em tempo de guerra” no debate público.

O sistema militar e de segurança ucraniano já tinha alertado para o desafio que seria garantir a segurança em um dia de eleições em plena guerra e dar a todos os soldados, refugiados e pessoas deslocadas internamente a oportunidade de votar.

As palavras de Zelensky a favor do adiamento das eleições – conforme prevê a lei marcial em vigor desde o início da guerra no país – também ocorrem após o chefe do Exército, Valeri Zaluzhni, ter reconhecido pela primeira vez erros na estratégia militar adotada e ter reconhecido a estagnação da frente.

*É proibida a reprodução deste conteúdo

Fonte: Agência Brasil

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.