Universidades federais têm cursos mais bem avaliados

Instituto Central de Ciências da UNB
Estudantes no Instituto Central de Ciências da UNB (Universidade de Brasília)

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) divulgou na 3ª feira (2.abr.2024) os resultados do IGC (Índice Geral de Cursos) de 2022, que avaliou 1.998 instituições de educação superior, públicas e privadas. Os dados completos divulgados pelo Inep podem ser lidos no site do instituto, clicando aqui.

Segundo o levantamento, 27,7% das instituições (554) tiveram o melhor desempenho, ficando nas faixas 4 e 5 do indicador. Outros 60,3% obtiveram nota 3; 11,7% (234) ficaram na faixa 2 e 0,3% (6) na faixa 1, com o conceito mais baixo.

Entre as instituições públicas federais, 94 das 111 avaliadas obtiveram IGC 4 ou 5 e nenhuma ficou nas faixas 1 e 2 do indicador. O número de instituições comunitárias nas faixas 4 e 5 passou de 31 para 39 de 2018 a 2022. Já as privadas com fins lucrativos, que representam 53% (1.503) das avaliadas, aumentaram de 183 para 215 instituições com IGC igual a 4 ou 5, no mesmo período.

O IGC corresponde à média das notas do CPC (Conceito Preliminar de Curso), referente aos cursos de graduação, e dos conceitos Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) dos cursos de programas referentes às pós-graduações stricto sensu, ponderadas pelo número de matrículas de cada curso.

Leia mais:

Segundo o Inep, nenhuma instituição que oferece cursos de mestrado ou doutorado ficou na faixa 1 do indicador. As instituições com mais programas dessa natureza se concentram nas faixas superiores (4 e 5). “O que leva a crer que a pós-graduação leva a uma maturidade institucional relevante, que reverbera na graduação”, avaliou o diretor de Avaliação da Educação Superior do Inep, Ulysses Teixeira.

O instituto também divulgou os resultados de outros 2 indicadores de qualidade da educação superior relativos a 2022. O CPC combina aspectos como desempenho dos estudantes, valor agregado pelo curso, corpo docente e condições oferecidas para o desenvolvimento do processo formativo.

Entre os 8.934 cursos de graduação com CPC calculado, 35,9% (3.208) tiveram desempenho entre as faixas 4 e 5 do indicador; 54,4% (4.861) obtiveram notas médias (3); 9,5% (848) ficaram na faixa 2 e 0,2% (17), na faixa 1.

Segundo o Inep, os resultados mostram uma tendência de crescimento no número de docentes com mestrado e doutorado nas instituições de ensino, além de uma avaliação positiva, pelos estudantes, das condições de oferta dos cursos de graduação vinculadas à organização didático-pedagógica, à infraestrutura e instalações físicas, e às oportunidades de ampliação da formação acadêmica e profissional.

Já o IDD (Indicador de Diferença entre os Desempenhos Observado e Esperado) busca mensurar o valor agregado pelo curso, ao considerar os resultados dos estudantes no Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes) ao fim da graduação, e o desempenho no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), dos mesmos estudantes quando eram ingressantes na educação superior.

O resultado mostrou que as instituições públicas federais e estaduais, bem como as comunitárias, têm mais de 30% dos cursos nas faixas superiores do IDD (4 e 5). Foi analisada uma amostra de 7.569 cursos.

Com informações da Agência Brasil.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.