Uma enchente de erros

Defesa civil
Na imagem, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, com colete da Defesa Civil em Santa Maria (RS) durante as enchentes que atingem o Estado

Quando todos os erros escolhem o mesmo caminho, e falhas em diferentes esferas da burocracia levam ao mesmo resultado, é saudável supor que eles não são meros deslizes –eles são um projeto. É isso que seres pensantes começam a suspeitar sobre a tragédia de erros que está vindo à tona nas águas do Rio Grande do Sul. 

Jamais a inépcia governamental pareceu tão proposital; raramente se viram equívocos tão coordenados. A enchente de incompetências que afoga o Estado não pode ser resultado da inação –é necessário esforço para tantos desacertos. 

Curiosamente, o grupo que de fato vem agindo de forma eficiente e com excelentes resultados é a população civil –os jipeiros, os donos de jet ski, os surfistas e aqueles heróis anônimos que arriscaram a própria vida para salvar outras remando em colchões de ar, geladeiras, pedalinhos e caixas d’água.

A lista de erros da burocracia estatal –estratégicos, logísticos e operacionais– é quase infinita, e merece um artigo especialmente dedicado para isso. Mas na 3ª feira (14.mai.2024), o governador Eduardo Leite reforçou as suspeitas sobre a intencionalidade dos erros quando logrou uma proeza impensável: ele conseguiu ver defeito nas doações que o Rio Grande do Sul está recebendo. 

Mas não nas doações em dinheiro, não senhor –só as doações físicas, aquelas com pouca liquidez, difíceis de colocar no bolso. A fala foi proferida em entrevista à Rádio Bandeirantes, em resposta a uma pergunta específica sobre as doações, particularmente o envio de água potável.

“Na verdade, quando você tem um volume tão grande de doações físicas chegando ao Estado, há um receio –pelo que já observamos em outras situações– sobre o impacto que isso terá no comércio local. Você tem uma cidade que tá impactada, o comércio que foi impactado também, e o reerguimento desse comércio fica dificultado na medida em que você tem uma série de itens que estão vindo de outros lugares do país –eu não quero aqui, pelo amor de Deus, ser entendido como alguém que está desprezando isso, pelo contrário, muito bem recebido. Mas inclusive isso também gera uma preocupação para nós sobre os impactos no comércio local no Rio Grande do Sul”, explicou o desgovernador. 

Para além do deboche com a generosidade alheia, e o descaso com a penúria completa de milhares de famílias que perderam tudo, a preocupação de Leite com o comércio local é mais um de seus gestos burlescos –cheios de babados e vulgaridade, e completamente despidos de substância. Só depois da repercussão negativa, Eduardo Leite publicou um vídeo na 4ª feira (15.mai.2024) se desculpando pelo absurdo dito no dia anterior.

Digo isso com triste convicção porque em 1º de maio, enquanto as águas continuavam a subir, e já depois de um alerta vermelho, algumas mortes e uma declaração de calamidade, o governador aumentou impostos em itens essenciais da cesta básica. Incapaz de conseguir apoio legislativo, o desgovernador impôs essa obscenidade por decreto. 

“Desde o dia 1º de maio, itens como pão e leite deixaram de ser isentos de tributação e passaram a ter alíquota de ICMS de 12%. Outros produtos como carnes, açúcar, café, erva-mate, feijão, arroz tiveram reajuste de 7% para 12% na alíquota do imposto”, afirma uma reportagem do Brasil de Fato

Além de punir os mais pobres, Eduardo Leite também foi rápido em outra coisa: mudar sua foto de perfil no Facebook. Especialista em marketing, o político que sacode sua preferência sexual como virtude não perdeu tempo para trocar de roupa e dar a impressão de que estava trabalhando no resgate das vítimas. 

Pior que isso só a deputada Maria do Rosário, a política profissional que passou vergonha andando desorientadamente pelas ruas alagadas e atrapalhando quem trabalhava com tapinha nas costas encenados para a câmera. Sua produção televisiva infelizmente deixou muito a desejar, porque esqueceram de um detalhe que desmascarou a farsa: os calçados usados pela deputada permaneciam impecavelmente limpos, sem uma manchinha de lama. 

Maria do Rosario fazendo “campanha” com tênis tão branquinho que dá inveja ao OMO…como diríamos antigamente, “Mais falsa que whisky paraguaio”💩🤢🥵 pic.twitter.com/IrxpuFUuTd

— Vovô “conservador”/Deus 1000%/🇧🇷100% (@BegossoR) May 15, 2024

Estamos longe de ter certeza sobre as causas da desgraça que afunda o Rio Grande do Sul, mas uma coisa é quase irrefutável: ela não tem nada a ver com as “mudanças climáticas”. O que mudou foram os políticos, que na briga pelo voto ao “menos pior” estão ficando cada vez piores, concorrentes numa competição que vai nos levar todos ao fundo do poço. Segundo reportagem deste Poder360, houve falha humana e descaso político no sistema antienchente de Porto Alegre. 

Como explica o professor Fernando Dornelles, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, o sistema de comportas foi projetado para conter até 6 metros no nível de água, mas a dilapidação do sistema (inclusive com roubo de bombas que nunca foram repostas) não conseguiu evitar nem os 4,5 metros registrados em 3 de maio. 

O texto não menciona quais teriam sido as “sucessivas gestões municipais e estaduais” sob as quais essa depredação e mal-uso da coisa pública teria acontecido, mas aqui está uma lista dos últimos governadores do Rio Grande do Sul e dos últimos prefeitos de Porto Alegre. Repare na inclinação ideológica dessa turma competente. 

O fato é que Porto Alegre já vem sofrendo de enchentes desde muito antes que bilionários em busca de novos filões descobriram que existe mucho diñero e controle social no teatro das mudanças climáticas. Antes de eu continuar, permita-me informar ao meu caríssimo leitor que não entendo nada de clima. Quem entende são os assinantes desta carta, o manifesto “Não Existe Emergência Climática”, subscrito por ao menos 2 laureados com prêmio Nobel em ciência (ciências exatas, claro, não “ciências” sociais). 

Para quem suspeita de conquistas acadêmicas e acumulação de diplomas científicos, deixo aqui as palavras de um homem que certamente sabia melhor que a maioria absoluta dos histéricos do clima: John Coleman, meteorologista e fundador do canal sobre o tempo mais visto do mundo, o Weather Channel. Em entrevista à CNN, Coleman surpreendeu o entrevistador com algo inesperado: a verdade. 

Leia um trecho da entrevista:

E eu quero deixar isso bem claro, Mr Kenny não é um cientista, eu sou. Ele é o CEO do Weather Channel agora; eu fui o fundador do Weather Channel, não cofundador.

E eu to feliz que você o fundou –interrompe o jornalista Brian Stelter– porque eu sou viciado no Weather Channel.

Quem tá falando agora sou eu, espera aí, eu não terminei. 

Uh!

A CNN adotou uma posição firme de que o aquecimento global é um consenso. Ora, não existe consenso em ciência –a ciência não são votos, ciência são fatos, e se você for ver os fatos de verdade, não há dúvida sobre isso: a mudança global não está acontecendo, não há aquecimento global significante agora causado pelo homem –não teve nenhum no passado e não há razão pra esperar isso no futuro. Tudo isso é uma grande bobagem. Mas sim, isso virou uma questão política importante para o Partido Democrata e virou parte da sua plataforma política e eu lamento que isso tenha virado uma questão política em vez de uma questão científica. Mas a ciência está do meu lado.

OK, eu não acho que vamos conseguir chegar a uma conclusão sobre este tópico aqui. O que eu quero saber… 

Eu sei que não vamos, porque você não iria permitir que isso acontecesse na CNN, mas fico feliz de ter conseguido entrar no ar e falar com sua audiência: “Olá, pessoal. Não existe aquecimento global”.

Mas quando você vê o governo, a Nasa, e outras instituições dizendo que 97% dos cientistas do clima concordam, você acha que eles estão inventando…

Deixe-me explicar. O governo distribui cerca de US$ 2,5 bilhões por ano diretamente para pesquisa climática, mas ele só dá esse dinheiro para cientistas que produzam estudos que corroborem a hipótese do aquecimento global. […] É por isso que 97% dos relatórios científicos apoiam a teoria. Por quê? Porque são esses que o governo pagou para publicar. 

O mais constrangedor sobre o falso consenso em torno do “aquecimento global” é que apenas poucos anos atrás ele dizia que o grande risco era um “esfriamento global”, como conto neste artigo

A bobagem do aquecimento global causado pelo homem é uma propaganda pensada para o mesmo tipo de cérebro que acredita que um homem magicamente se transforma em mulher com o mero uso de uma peruca. Depois que feministas passaram décadas lutando contra “a opressão do macho branco”, o macho branco conseguiu vencer a mulher mais uma vez, agora fingindo para as menos inteligentes que ele “é elas”. Até a frase soa estranha, mas é isso mesmo, e é por isso que mulher oprimida e sem poder aceita que eles participem de competições contra mulheres –não porque elas se sintam iguais, mas precisamente porque se reconhecem como inferiores. Mas eu digresso/degrijo/degrajo.

Falei disso tudo só para confirmar, mais uma vez, que Eduardo Leite não merece nenhum respeito, porque ele não tem seriedade. Na mesma entrevista que deu à Bandeirantes, o governador estima mais mortes por mais enchentes “em função do que a gente tá observando na questão do clima”. Isso será “o novo normal”, nas palavras desse gênio da ciência climática. 

Para Leite, “a extensão do impacto numa unidade da Federação como teve no Rio Grande do Sul, acho que é o 1º caso que tem, e talvez, infelizmente, não venha a ser o último”. Note que ele decidiu arbitrariamente que esse foi o 1º caso de enchente devastadora advinda da “questão do clima”. E as anteriores advieram do que? Tanto faz. A razão e a lógica são irrelevantes. O que interessa é que Eduardo Leite é gay, e isso é sua maior credencial. 

As bobagens de Eduardo e seu descaso para com o povo estão servindo ao menos para uma coisa: para as ferramentas pouco afiadas na imprensa começarem a entender quais interesses são defendidos pelo nosso papagaio de slogans. 

Eduardo é há anos apoiado pelo sindicato de bilionários, que faz lobby para a concentração de renda e a criação de monopólios indestrutíveis por meio de compras garantidas pelo Estado, pagas compulsoriamente com impostos (como foi com as “vacinas” que quanto menos funcionavam mais vendiam; com a distribuição “gratuita” de absorventes higiênicos; com a distribuição da “profilaxia” para a Aids… a lista é longa, e só aumenta). 

Eduardo é um vaso vazio que transborda futilidade, um oco infinito que às vezes não consegue esconder seu vácuo interior. Um desses momentos, eu admito, chegou a ser comovente –digo comovente pela vergonha alheia, um constrangimento que mesmo quem não estava no local consegue sentir. O homem que trocou de roupinha pra foto no Fezesbook estava fazendo um discurso. Ao final, a câmera flagra o desgovernador cuidando do que realmente lhe interessa. Ele larga o microfone, olha para o assessor ao lado e demanda: “Bate palma”.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.