Ucrânia pede que cidadãos economizem energia após ataque à usina

O monumento da Pátria iluminado com as cores da bandeira nacional ucraniana durante o Dia da Bandeira do Estado da Ucrânia, antes do Dia da Independência da Ucrânia, em meio à invasão russa
O monumento da Pátria iluminado com as cores da bandeira nacional ucraniana durante o Dia da Bandeira do Estado da Ucrânia, antes do Dia da Independência da Ucrânia, em meio à invasão russa — Foto: Genya Savilov / AFP

A Ucrânia pediu à sua população que economizasse eletricidade depois que uma usina perto da linha de frente foi atingida por um bombardeio, o primeiro alerta desse tipo neste inverno, à medida que as temperaturas caem abaixo de zero. As autoridades alertaram durante meses que a Rússia estava planejando intensificar os ataques às infraestruturas energéticas, depois de os ataques à rede elétrica no ano passado terem levado a apagões generalizados.

“Esta tarde, o inimigo atacou uma das usinas termelétricas na zona da linha de frente. O equipamento foi seriamente danificado como resultado do bombardeio”, disse o Ministério da Energia, que não informou qual usina foi afetada, mas disse que duas de suas unidades de energia pararam de funcionar, levando a uma “falta temporária de eletricidade” na rede.

“O Ministério da Energia apela aos consumidores para que apoiem os engenheiros de energia, consumindo eletricidade de forma razoável e económica, especialmente durante os horários de pico de carga.”

As temperaturas mais baixas, os reparos de emergência e a falta de energia solar também contribuíram para a escassez, disse o primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmygal, em uma publicação nas redes sociais.

“O governo e a indústria energética apelam agora a todos para que reduzam o consumo de electricidade. Especialmente das 9h00 às 19h00”, acrescentou.

Kiev tem pedido aos países ocidentais que reforcem os seus sistemas de defesa aérea para se defenderem dos ataques, que deixaram milhões de pessoas na ignorância no ano passado. O país alertou, em novembro, que não conseguiria produzir energia suficiente para satisfazer a procura de aquecimento e que teve de depender dos países vizinhos da UE para as importações de electricidade.

O alerta surge um dia depois de os senadores dos EUA não terem aprovado bilhões de dólares em ajuda de emergência para a Ucrânia e Israel, colocando em dúvida o apoio futuro a Kiev. A Casa Branca solicitou cerca de 60 bilhões de dólares adicionais para ajudar a Ucrânia a manter a pressão sobre a Rússia durante o inverno, mas os republicanos rejeitaram a medida devido a uma disputa de imigração. O Kremlin, que criticou o apoio do Ocidente a Kiev, saudou a medida.

“Espera-se que ainda haja pessoas suficientes com mentes sóbrias entre os congressistas norte-americanos”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos jornalistas na quinta-feira.

Ele acusou a Casa Branca de tentar “preparar senadores americanos” e “queimar o dinheiro dos cidadãos americanos na fornalha da guerra ucraniana”. Os Estados Unidos são de longe o maior aliado da Ucrânia, e a Casa Branca alertou os legisladores que uma queda na ajuda poderia prejudicar as forças de Kiev no campo de batalha.

Apesar de uma contra-ofensiva ucraniana que empregou milhares de milhões de dólares em armas ocidentais, as linhas da frente no conflito de 21 meses quase não mudaram em mais de um ano. O presidente Volodymyr Zelensky disse aos líderes do G7 na quarta-feira que a Rússia aumentou a pressão nas linhas de frente e que Moscou contava com o apoio ocidental para cair no próximo ano.

“A Rússia só espera uma coisa: que no próximo ano a consolidação do mundo livre entre em colapso”, disse Zelensky.

Fonte: O Globo

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.