Terroristas com uniforme militar, corpos mutilados: por que Israel reduziu número de mortos no ataque do Hamas em 7 de outubro

Homens armados do Hamas em hub da inteligência de Israel
Homens armados do Hamas em hub da inteligência de Israel — Foto: Reprodução

Israel revisou sua estimativa oficial de número de mortos nos ataques terroristas do Hamas em 7 de outubro, reduzindo o número para cerca de 1.200 pessoas, ante mais de 1.400, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país na noite de sexta-feira.

O porta-voz, Lior Haiat, disse que o número original era uma “estimativa inicial” que agora foi atualizada. Ele se recusou a fornecer mais detalhes sobre a mudança, mas enfatizou que os números podem continuar a flutuar à medida que os restos mortais forem identificados.

Durante semanas, as autoridades israelenses afirmaram que mais de 1.400 pessoas foram mortas nos ataques lançados a partir de Gaza, nos quais homens armados liderados pelo Hamas invadiram mais de 20 cidades e bases militares e abriram fogo contra pessoas nas suas casas, nas ruas, em um festival de música e outros locais. Outras vítimas foram mortas quando os terroristas incendiaram seus carros e casas.

As autoridades de saúde israelenses dizem que têm tido dificuldade em identificar muitos cidadãos nacionais e estrangeiros mortos nos ataques e em excluir do número oficial os restos mortais daqueles que consideravam terem sido os terroristas.

A tarefa foi complicada, disseram funcionários do Ministério das Relações Exteriores. Alguns dos agressores usavam uniformes militares israelenses ou roupas civis, o que criou confusão sobre as suas identidades. Além disso, ainda existem partes de corpos que não foram associadas a cadáveres e ainda não está claro quantas pessoas foram mortas. As autoridades dizem que pode levar semanas para finalizar o número.

Alguns dos mortos foram queimados vivos ou os seus corpos foram brutalmente mutilados, exigindo testes aprofundados para estabelecer as suas identidades, de acordo com funcionários do principal instituto forense de Israel. A estimativa dos militares israelenses sobre o número de pessoas feitas reféns durante os ataques de 7 de outubro também oscilou, caindo para 239 na quinta-feira, ante 242 na semana anterior.

Os mortos incluem pelo menos 845 civis identificados pelas autoridades de saúde, além de membros das forças de segurança de Israel mortos nos combates de 7 de outubro, disse a polícia israelense na quinta-feira.

O número original de vítimas dos ataques de Israel não foi submetido ao nível de escrutínio que os Estados Unidos aplicaram ao número de mortos compilado pelas autoridades na Faixa de Gaza, onde milhares de pessoas morreram em semanas de pesados bombardeios de Israel e incursões terrestres.

O Ministério da Saúde da Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, afirmou que mais de 11 mil pessoas foram mortas desde o início da guerra no mês passado, incluindo mais de 4.500 crianças.

Fonte: O Globo

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.