Rogério Marinho diz que em 10 anos, Governo calculou uma desidratação de R$ 63 bilhões na economia fiscal da reforma da Previdência

A equipe econômica calculou uma desidratação de R$ 63 bilhões na economia fiscal da reforma da Previdência em dez anos após a nova versão do relatório do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). O parecer será votado nesta quarta-feira, 4, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. O cálculo foi informado pelo secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho.

Com isso, a economia da reforma cai de R$ 933,5 bilhões (resultado do texto aprovado na Câmara) para R$ 870,5 bilhões em uma década. O relator apresentou alterações para compensar a perda, mas que dependem da aprovação de uma proposta paralela. Com a PEC paralela, a economia sobe para R$ 962 bilhões, de acordo com Tasso Jereissati, e para R$ 1,312 trilhão com a inclusão de Estados e municípios – na hipótese de todos os governos estaduais e municipais aderirem. As informações são da Agência Estado.

O cálculo foi informado pelo secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho