RN incrementa linha de cuidado para pacientes cardíacos

A estratégia para o Fortalecimento da Linha de Cuidado aos Portadores de Doenças Cardiovasculares, elaborada pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) desde o início de 2022, vem apresentando resultados positivos no acesso ao diagnóstico de infarto agudo do miocárdio e outras doenças vasculares.

O resultado das ações foi um aumento real do tratamento com medicamentos trombolíticos, em pacientes que antes recebiam diagnóstico e terapia adjuvante, mas agora recebem o tratamento principal, retomando a circulação sanguíneo correta nas áreas afetadas.

O projeto SPRINT, conjunto de ferramentas da companhia farmacêutica alemã Boehringer Ingelheim com habilitação do Ministério da Saúde, oferta aos serviços SUS que fazem uso de trombolíticos, foi implantado nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Macaíba e Parnamirim. A mudança de cultura promovida pelo projeto possibilitou aos plantonistas mais segurança em iniciar o tratamento, diminuindo complicações e risco de morte. Para isso foram essenciais o fornecimento dos trombolíticos pelo Governo do Estado, além da educação continuada dos profissionais.

Para a implementação da linha de cuidados ao Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) foram capacitados os médicos e enfermeiros que atuam nas portas de entrada de hospitais, UPAs e Unidades de Terapia Intensiva (UTI’s).

Além de capacitar os profissionais, a Sesap abasteceu as UPAs de Parnamirim e Macaíba, além dos hospitais regionais de Caicó e Pau dos Ferros, com medicamentos trombolíticos utilizados no tratamento de infarto e Acidente Vascular Encefálico (AVE). A estratégia é gerenciada pelas coordenadorias de Atenção à Saúde (CAS) e da Regulação em Saúde e Avaliação (CORSA) da Sesap.

As ações terão continuidade com objetivo de fortalecer a rede de atendimento, facilitar o acesso do paciente ao cateterismo, exame diagnóstico definitivo da obstrução realizado no Hospital Universitário Onofre Lopes (Huol), a criação de um ambulatório de egressos, para retorno dos pacientes ao médico cardiologista para continuação ambulatorial do tratamento, além de facilitar o retorno do paciente ao acompanhamento na unidade básica de saúde do seu território.

Toda a estruturação da rede de cuidados ao paciente cardiovascular conta com o apoio da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Universidade Federal do RN (UFRN) e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH).