Rio Grande do Sul: a tragédia anunciada

Enchente no RS
Na imagem, enchente no Rio Grande do Sul

“Estou com o coração apertado”, diz Eduardo Assad sobre a tragédia do Rio Grande do Sul. Há 4 décadas, Assad se dedica à pesquisa das mudanças climáticas no Brasil. Só na Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) foram 35 anos de trabalhos nas áreas de zoneamento agrícola, riscos climáticos e aquecimento global.

“A gente vem falando que isto iria acontecer há 30 anos. Alertas do Cemaden [Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais], do Inpe [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais], da Embrapa e de um exército de cientistas”, informa Assad, atualmente pesquisador do Observatório de Bioeconomia da FGV (Fundação Getulio Vargas) e diretor técnico da Fauna Projetos.

Nesta entrevista ao Poder360, Assad fala sobre as causas, as consequências e as lições da tragédia no Rio Grande do Sul. Segundo ele, o Estado já mostrava desde 2014 um grande passivo nas APPs (Áreas de Preservação Permanentes) hídricas, que em vez de serem reconstruídas, foram reduzidas pelo governo estadual para aumentar o plantio de soja.

Bruno Blecher – As inundações já eram previstas?
Eduardo Assad –
“Um estudo de 2014, liderado pela Klabin e com a participação de entidades como a Sociedade Rural, Febraban e Instituto do Aço, apontava para um passivo ambiental de 52% nas APPs hídricas do Estado. Isso mostra que as matas de galeria estavam desprotegidas. Se estivessem protegidas, as enchentes seriam minimizadas.
“A gente já sabia, em 2014, que as diferenças das mudanças climáticas no Brasil seriam regionalizadas. No Sul do Brasil –Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul–, teríamos um aumento de 15% das chuvas. Mas a distribuição das chuvas seria irregular por conta das chuvas extremas. O que a gente não sabia é que se chegaria a patamares tão elevados como 300 milímetros, 400 milímetros. Isto é uma loucura.”

Nada foi feito para proteger as Áreas de Preservação Permanentes?
“Se você não protege as APPs, não mantém as reservas florestais, a quantidade de água que corre e que deixa de infiltrar aumenta muito. E isso é muito impressionante. Nada foi feito para reconstruir as APPs no Estado, e sim para destruí-las. O governador do Rio Grande do Sul [Eduardo Leite] tomou algumas medidas no ano passado para reduzir as reservas florestais. Reduziu as reservas para aumentar a área da soja. Muitos deputados estavam trabalhando para aumentar a área plantada, reduzindo as APPs hídricas.”

“O Cemadem fez os alertas, o Inpe tem estudos detalhados desses eventos extremos. Essa coisa começou a ser dita em 2007, quando saiu o relatório do IPCC [Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima] dizendo que era inequívoco que a ação humana estava provocando esse conflito e que iria se manifestar na forma de eventos extremos –ondas de calor, ondas de frio e chuvas intensas.”

Se anos atrás fosse feita alguma coisa, o prejuízo seria menor?
Não tenho dúvida. Estima-se que se alguma coisa fosse feita em relação às reservas florestais nas propriedades e nas APPs hídricas, a redução do estrago seria de 30%. Eu cresci na minha vida profissional aprendendo com os gaúchos. “A escola de agrometeorologia gaúcha, a escola de manejo e conservação gaúcha, a escola de hidrologia do Rio Grande do Sul. São entidades e profissionais dos mais competentes do Brasil. E tudo o que aconteceu nestas enxurradas foi porque não foi feito um bom trabalho de manejo e conservação de solo e água. A água escoou toda, aí o desastre é inevitável.
“O plantio direto não estava adequadamente feito nestas regiões.
Estão falando agora de perdas de R$ 2 bilhões no setor rural com estas inundações, mas a perda que ocorreu nos últimos 12 anos no Estado com secas intensas chega a R$ 70 bilhões.”

O produtor rural não está preocupado com conservação de solo e água?
40% dos produtores rurais não acreditam nas mudanças climáticas. Vi isso numa enquete da Universidade Federal de Minas Gerais. Alguns não têm percepção nenhuma sobre as mudanças climáticas, outros têm uma percepção ligeira. E têm aqueles caras que falam que tudo isso é besteira.
“Nós acompanhamos com muita inquietação o que o setor rural fez em Mato Grosso. Eles contrataram negacionistas para fazerem palestras afirmando que mudanças climáticas é balela.”

Qual a lição que fica deste desastre?
“A necessidade de se adotar as práticas de manejo e conservação de solo preconizadas pela agricultura regenerativa e pelo Programa ABC. Vamos proteger o solo, fazer sistemas integrados. Você não precisa colher 8 toneladas por hectare. Basta 6 toneladas, mas mantenha sua reserva. Se você não mantiver sua reserva, você vai perder tudo.”

Mato Grosso, líder nacional de produção de grãos, está preparado para enfrentar os extremos climáticos?
“O governador do Estado, Mauro Mendes, disse numa entrevista ao programa Roda Viva [TV Cultura] que manter a floresta em pé não tem significado. As ondas de calor que aconteceram em Mato Grosso na última safra foram terríveis. Teve fazenda que chegou a perder 40%.
“O Mato Grosso, se não mudar o modelo de produção, vai continuar perdendo. E com aquela imensidão de soja e de milho, se perderem mais 1 ano, eles não sobrevivem. Mas lá a gente também tem exemplos interessantes.”

Como mitigar esses extremos climáticos?
“Quem adotou as práticas de manejo e conservação de solo e água, proteção de solo, curva de nível, sistemas integrados como a Integração Lavoura Pecuária e a Integração Lavoura, Pecuária e Floresta, não perdeu este ano, mesmo com a temperatura elevadíssima em Mato Grosso.
“Eu participei de um estudo em Mato Grosso sobre a descarbonização do Estado. Começa com revegetação, restauração florestal, energia solar e eólica. E tem um fator ali, que embora pareça terrível, é uma grande oportunidade –Mato Grosso tem 5 milhões de pastos degradados. Se você recupera isso, reduz as emissões de gases efeito estufa em algo próximo a 2,5 bilhões de toneladas de carbono por ano. É um tesouro.
“Recentemente, o Brasil recebeu uma missão chinesa. Querem aumentar a compra de carne do Brasil e o Mato Grosso é um dos principais atores nisso, desde que não haja desmatamento. Se não desmatar, os chineses compram carne e dão um bônus. Bom negócio.”

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.