Procura-se um especialista em articulação de redes sociais

Lula e Janja
Articulista diz não ser raro ler posts de ministros ou de Janja fora do tom e sem decoro –comportamento criticado à exaustão pela esquerda quando as assinaturas eram de integrantes do governo anterior; acima, Lula e a primeira-dama em evento no Planalto, em 2023

Durante a pandemia, a militância da esquerda ocupou empenas de todo o país, em muitos casos também no exterior, com ações orquestradas contra o governo de Jair Bolsonaro (PL). Foi o tempo da oposição de paredes. Escrevi sobre a estratégia para a revista alemã TextezurKunst em dezembro de 2021.

Orientados principalmente por textos exibidos a partir de projetores, esses protestos ganharam amplitude, engajamento e seguidores nas redes sociais –plataformas para viralizar conteúdo. As coordenadas eram enviadas por grupos de WhatsApp. A ordem era atacar Bolsonaro, mesmo com golpes abaixo da cintura.

Quem não se lembra da cabeça do ex-presidente rolando nas redes de ativistas? Ocorre, porém, que a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 2022 dificultou operar contra o mandatário de turno. Pois o mandatário de turno é Lula.

A troca de cadeiras levou a estratégia de militância para comunicação institucional, das paredes às plataformas. Não é raro ler posts de ministros ou da primeira-dama Janja Lula da Silva fora do tom, sem decoro –comportamento por eles criticados à exaustão quando as assinaturas eram de integrantes do governo anterior.

“Governo está perdendo a guerra na comunicação digital” não é uma crítica de oponentes. É a constatação do presidente da República, feita em 18 de março em reunião ministerial. Em sua avaliação, ele e seu grupo têm sido derrotados nesse campo.

Não foi a 1ª vez que a minguada atuação na internet é alvo interno. Em 2015, documento reservado da Secom (Secretaria de Comunicação Social) publicado por OEstadodeS. Pauloafirmava que ogovernotemadotadoumacomunicaçãoerráticadesdeareeleiçãodeDilmaRousseff [PT] e queseusapoiadoresestãolevandoumagoleadadaoposiçãonasredessociais.

Um dia antes da reunião de Lula com ministros, o repórter João Paulo Saconi, da coluna de Lauro Jardim, em OGlobo, expôs a disputa pelo controle das redes de Lula. JanjaestádispostaaassumirocontroledacomunicaçãodigitaldeLulae, porisso, travaumacirradocabodeguerracomauxiliaresdele, declarou o jornalista.

Mas a controvérsia em torno da responsabilidade dos perfis pessoais do presidente não é nova. Deu-se ainda sob o 2º mandato de Dilma, fato pouco explorado atualmente. Na ocasião, tratava-se de tirar o Facebook de uma agência digital para levá-lo ao Palácio do Planalto. Não deu certo.

Estão agora no centro do enfrentamento os secretários Brunna Rosa (Estratégia e Redes), Ricardo Stuckert (Produção e Divulgação de Conteúdo Audiovisual) e José Chrispiniano (Imprensa) –integrantes da Secom do ministro Paulo Pimenta. Cada qual em seu feudo, nesta ordem: contas institucionais, Instagram e X (ex-Twitter).

Sob Rosa, os perfis institucionais postaram ironias em pautas como a dengue contra opositores como Jair Bolsonaro e Carlos Bolsonaro (“Toc toc toc”, publicou o @GovBr numa operação da PF). Zombarias típicas de memes e projeções.

Convidado a trazer a comunicação ao eixo, o publicitário Sidônio Palmeira ainda não estancou os petardos. A primeira-dama e Pimentavoltaram às redes para carimbar como fakenews uma nota de bastidor negativa publicada pelo colunista Lauro Jardim (OGlobo) em que relata interferência de Janja para o jogador Robinho cumprir pena no Brasil por estupro.

Tarefa duríssima terá Palmeira no rebranding de Lula.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.