Procon abre procedimento para apurar apagão em São Paulo

Vila Mariana foi um dos bairros mais afetados pelas chuvas

O Procon de São Paulo abriu um procedimento para apurar quais medidas foram adotadas pelas concessionárias de energia que atendem a região metropolitana de São Paulo e a Baixada Santista, que são afetadas pela falta de energia elétrica desde sexta-feira (3). O Procon-SP já recebeu 300 reclamações por falta de energia nos últimos três dias. Cerca de 500 mil domicílios ainda estão sem energia somente na Grande São Paulo, segundo a Enel informou nesta segunda-feira (6), sendo 413 mil só na capital.

De acordo com o governo estadual, o Procon notificou a Enel, CPFL, Energisa, Elektro e EDP para que elas informem, ainda nesta segunda, que providências foram tomadas resolver o problema de interrupção de energia, qual é o tempo de resposta e como serão ressarcidos os prejuízos dos consumidores. Além disso, as concessionárias deverão informar quantos profissionais estão em atividade nas ruas para resolver os problemas.

Ainda segundo o governo, essas informações poderão ser compartilhadas com o Ministério Público e agências reguladoras como a Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo (Arsesp), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Na sexta, um forte temporal com ventos de até 100 quilômetros por hora causou estragos por diversos pontos da capital e do estado, deixando milhões de pessoas sem energia elétrica na região metropolitana de São Paulo. A luz ainda não voltou em diversos pontos da capital, que já estão há mais de 66 horas sem energia, e a previsão é que o serviço só seja totalmente restabelecido nesta terça (7). Sete pessoas morreram.

Nesta segunda, a partir das 16h30, Nunes e o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) se reunirão com o diretor geral da Aneel, Sandoval de Araujo Feitosa Neto, e com os diretores das concessionárias Enel, CPFL Energia, Neoenergia Elektro e EDP Brasil, no Palácio dos Bandeirantes. Na ocasião, deve ser discutido um plano de contingência para conter os danos causados pelo temporal.

Fonte: O Globo