Prates diz que foi demitido na “presença regozijada” de Silveira e Rui

Alexandre Silveira e Jean Paul Prates
Alexandre Silveira (Minas e Energia) foi um dos principais articuladores da demissão de Jean Paul Prates da Petrobras; na imagem, os 2 juntos em evento em outubro de 2023, em Belo Horizonte

Depois de ser comunicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) da sua demissão do posto de CEO da Petrobras na noite de 3ª feira (14.mai.2024), Jean Paul Prates enviou uma mensagem a aliados e funcionários da estatal pelo WhatsApp. No texto, comunicou que Lula lhe pediu o cargo e que anunciaria Magda Chambriard para a vaga.

Em um dos trechos da mensagem, a qual o Poder360 teve acesso, Prates afirmou que a sua “missão foi precocemente abreviada na presença regozijada de Alexandre Silveira e Rui Costa”. Disse ainda que não acreditava na possibilidade de reconsideração pelo Planalto.

Os ministros Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Rui Costa (Casa Civil) de fato participaram da reunião. Eram os principais algozes de Prates. Os 2 foram os principais atores do intenso processo de fritura e desgaste do agora ex-presidente da Petrobras com o governo. 

Eis a íntegra da mensagem compartilhada por Prates:

“Queridos amigos

“O presidente pediu meu cargo de volta agora há pouco. Deve nomear Magda. Amanhã conversaremos melhor. Danilo ficou tratando dos trâmites imediatos.

“Minha missão foi precocemente abreviada na presença regozijada de Alexandre Silveira e Rui Costa. Não creio que haja chance de reconsideração. Vão anunciar daqui a pouco.

“Só me resta agradecer a vcs e torcer que consigam ficar ou se reposicionar. Contem comigo no que eu puder fazer.

JPP”.

Chamado oficialmente pela Petrobras de “pedido de demissão negociado”, Prates foi demitido por Lula na noite de 3ª feira em reunião no Planalto. Foi o ponto final de uma longa fritura que o ex-senador vinha sofrendo no cargo. A permanência dele era vista como insustentável.

A decisão de demitir Prates já estava sacramentada por Lula há mais de 1 mês, segundo apurou o Poder360. Mas o petista esperou os holofotes da mídia saírem da Petrobras e os ânimos arrefecerem entre Prates e integrantes do governo para fazer o anúncio. Não queria que se tornasse uma crise interna.

Nos bastidores do governo, a leitura é que Prates cavou sua própria cova. Sua gestão já era vista com ressalvas por Lula por motivos como a demora em investimentos estratégicos para o governo, como em fertilizantes e em refinarias. Tudo piorou depois de 2 episódios:

Esses episódios foram a gota d’água para Lula perder a confiança no presidente da Petrobras. O Planalto esperou para encontrar um novo nome de confiança, que tivesse aceitação de setores do governo e alguma experiência no mercado de óleo e gás. Achou Magda Chambriard. E assim a demissão de Jean Paul Prates foi selada, ao tempo de Lula.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.