Polícia invade festas LGBT na Rússia dois dias depois de Suprema Corte emitir regra ‘antigay’

Mulheres caminham em ponte no centro de Moscou, perto do Kremlin
Mulheres caminham em ponte no centro de Moscou, perto do Kremlin — Foto: Natalia Kolesnikova / AFP

Dois dias depois da Suprema Corte emitir uma decisão considerando o “movimento LGBT internacional” uma organização terrorista na Rússia, a polícia invadiu festas, bares e saunas frequentadas comunidade LGBT em várias cidades do país, em ações que estão sendo diretamente relacionadas à ordem dos magistrados.

Segundo relato publicado no canal Ostorojno Novosti, no Telegram, uma das batidas ocorreu em um clube na região central de Moscou, onde cerca de 300 pessoas estavam participavam de uma festa.

“No meio da festa, pararam a música e [a polícia] começou a entrar nos corredores. Também estavam na festa cidadãos de outros países. Na saída, fotografaram passaportes sem autorização. O esquema foi funcionou, foi assim que eles fecharam clubes semelhantes em São Petersburgo,” disse uma testemunha ao canal Ostorojno Novosti, no Telegram.

Um outro homem disse ao canal que, ao ver os policiais entrarem no clube, temeu o pior.

“Achei que era isso, ficaria preso 12 anos. Eles tiraram uma foto do meu passaporte na saída”, afirmou, se referindo à pena máxima prevista para aqueles que forem condenados por participação em uma organização considerada terrorista na Rússia.

Além de Moscou, houve batidas em várias outras cidades, como São Petersburgo, todas em locais frequentados pela comunidade LGBT. As autoridades, contudo, dizem que as operações tinham como único objetivo encontrar drogas, e negaram qualquer viés homofóbico.

Na quinta-feira, a Suprema Corte russa, atendendo a um pedido do Ministério da Justiça, declarou o “movimento LGBT internacional” uma organização extremista na Federação Russa, apesar de, na prática, não existir um movimento unificado e ligado aos interesses da comunidade LGBTQIAPN+, mas sim milhares de organizações separadas, incluindo muitas na própria Rússia.

A decisão não é específica sobre quais atos poderiam ser enquadrados na definição, e ativistas afirmam que, agora, até o simples ato de ostentar uma bandeira arco-íris, que no passado já levou muitas pessoas para a cadeia, poderia servir de pretexto para uma longa pena de prisão.

Contudo, aliados do governo de Vladimir Putin afirmam que a decisão não tem qualquer viés homofóbico, e se insere em um contexto de medidas anteriores, como a que proíbe o que as autoridades dizem ser “promoção de relações não tradicionais” na TV, cinema e teatro, chamada popularmente de “lei anti-propaganda gay”.

Fonte: O Globo

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.