Plano de logística participativo otimiza recursos e reduz custos

mesa com papeis
Articulista afirma que planos logísticos perenes devem considerar não só dados e estatísticas corretamente modelados, mas também informações qualitativas estratégicas do setor privado; na imagem, mesa com papeis

Os planejamentos equivocados das gestões anteriores e a falta de direcionamento adequado dos investimentos públicos e privados são responsáveis diretos pela queda do Brasil no Aemli (Agility Emerging Markets Logistics Index), ranking que classifica os mercados de logística mais promissores dentre os principais países emergentes do mundo. Em 2014, estávamos atrás apenas da China; hoje, o país ocupa o 19º lugar.

Na verdade, é preciso muito mais que direcionar os recursos para obras. Deve-se incentivar o investimento em tecnologia para aumentar a eficiência e a sustentabilidade da cadeia de suprimentos.

O planejamento e a definição das políticas públicas têm que sustentar uma governança participativa e colaborativa com o setor produtivo para canalizar esforços e diminuir a carência da infraestrutura brasileira de transportes.

Entretanto, como os recursos são finitos, é necessário termos critérios técnicos com base em dados para priorizar adequadamente esses investimentos, sejam eles financiados pelo setor privado ou pelo Tesouro. É preciso aprender com o processo de formulação desenvolvido nos últimos anos e desenvolver ferramentas mais efetivas para indicar quais são os investimentos que precisam ser feitos.

O PNL (Plano Nacional de Logística) 2035 construiu as matrizes origem-destino a partir de dados de notas fiscais eletrônicas (NFe) da Secretaria da Receita Federal de 2013. Há diversas limitações técnicas nas notas fiscais que colocam em questionamento o seu uso como fonte de informação para um adequado diagnóstico do fluxo de cargas pelo país. Elas não são precisas para identificar a origem e destino e não tem dado adequado de peso e volume transportado.

Outra fragilidade do atual plano é o modelo de projeção da demanda por transportes, que extrai previsões até 2035, mas teve sua validade testada só contra o ano de 2017. Não foi construída uma série histórica de 2013 a 2017 para comprovação da aderência do modelo preditivo proposto.

A falta de dados estruturados fez com que fosse necessário desenvolver um complexo modelo misturando dados qualitativos e quantitativos com várias limitações metodológicas e nos achados.

Muito mais relevante, como fonte de dados para o planejamento logístico é o MDF-e (manifesto eletrônico de documentos fiscais), mais preciso nas informações que fornece acerca do volume e destino da carga do que a nota fiscal.

Por isso, o Ministério dos Transportes construiu uma parceria com os Fiscos estaduais que culminou com a celebração, no Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), do Ajuste Sinief nº 23 em agosto, que permitirá o uso do MDF-e para criar o DT-e (Documento Eletrônico de Transportes). Assim, será possível construir um plano nacional de logística utilizando dados inéditos e mais consistentes.

Também será necessário aperfeiçoar os atuais planos setoriais, que, apesar das constantes melhorias, apresentam diversos problemas metodológicos. Muito provavelmente, a falta de recursos públicos deve ter pesado nas ponderações usadas nos indicadores e no desenvolvimento dos índices que fundamentam a priorização de investimentos.

Há um claro viés a favor de se priorizar os empreendimentos que têm uma suposta viabilidade econômica para a concessão ao setor privado. Porém, o indicador utilizado é simples e preliminar, pois não faz uma avaliação econômica como nas modelagens de projetos de concessões. Priorizar investimentos com base nele é, no mínimo, precipitado.

Além disso, considerar a viabilidade econômica atual para decisão de investimentos de longo prazo revela uma miopia que não considera o efeito crowding in do investimento público.

Muitas regiões que iniciam grandes projetos de desenvolvimento não têm fluxo logístico suficiente nas primeiras décadas de implantação. Assim, é necessário o governo ser indutor do processo, implementando investimentos em transportes até que haja maturidade econômica para passar à iniciativa privada. Com isso, antecipa-se a criação de gargalos logísticos que viram custos significativos para os empreendedores.

Os setores produtivos, de logística ou mesmo os entes federados não têm sido devidamente consultados durante a elaboração dos planos de logística. Como resultado do baixo engajamento, o PNL 2035 incluiu em sua base de dados empreendimentos estaduais de só 6 unidades da Federação.

Como as iniciativas federais e as subnacionais são interdependentes, a lacuna tem implicações graves. A ausência de uma visão completa da matriz de transportes nacional impacta diretamente nas projeções do plano, minando a sua validade enquanto instrumento de decisão.

Também não são feitas pesquisas que levantem informações quanto às expectativas de investimentos futuros, nem workshops regionais para debater os gargalos logísticos ou mesmo ouvir sugestões. É essa falta de participação e governança que mais impacta a avaliação da atratividade do Brasil para investidores do setor logístico.

O planejamento de infraestrutura de transportes exige a participação ativa da sociedade civil organizada de forma supragovernamental, pois envolve investimentos de grande valor monetário e de longa execução temporal.

É dessa maneira que  pretende-se construir planos perenes, considerando não só dados e estatísticas corretamente modelados, mas também informações qualitativas estratégicas do setor privado.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.