Petrobras e Novonor dizem ainda não ter decisão sobre a Braskem

Unidade de produção da Braskem
Unidade de produção da Braskem, petroquímica que está com o controle acionário à venda

A Petrobras e a Novonor (antiga Odebrecht) afirmaram nesta 2ª feira (18.set.2023) que ainda não há uma decisão sobre a venda do controle da Braskem. Até agora, 3 grupos já apresentaram propostas formais para comprar a fatia da Novonor na petroquímica: Unipar, J&F e Apollo/Adnoc.

Sócia minoritária na companhia com 36,1% do capital total, a Petrobras tem o direito de preferência na transação. De acordo com reportagem publicada pelo jornal Folha de S.Paulo na última 6ª feira (15.set), a petroleira e a estatal árabe Adnoc, que fez oferta com o fundo Apollo, estão com as negociações mais avançadas.

O formato que vem sendo costurado, segundo o jornal, é que as duas estatais firmem uma joint venture que vai controlar a Braskem, deixando uma fatia minoritária (4%) para a Novonor. Essa participação remanescente também foi ofertada pela Unipar, que era vista como favorita inicialmente.

Em comunicado ao mercado nesta 2ª, a Braskem disse que consultou suas duas maiores acionistas (Novonor e Petrobras) para esclarecer sobre as negociações.

A Novonor disse que “até o presente momento, não houve qualquer evolução material ou vinculante nas discussões que vem mantendo com as eventuais partes interessadas na aquisição de sua participação indireta na Braskem”. Eis a íntegra do fato relevante (PDF – 112 kB).

A Petrobras, por sua vez, afirmou que continua realizando o processo de due diligence (análise aprofundada) nos dados da companhia petroquímica para eventual exercício de direito de preferência ou de tag along, mecanismo que garante o direito de a estatal deixar a sociedade caso o controle da companhia seja adquirido por um investidor que até então não fazia parte dela. Eis a íntegra do comunicado (PDF – 680 kB).

A Novonor tem 38,3% e precisa vender sua fatia para saldar as dívidas. A empresa entrou em recuperação judicial em 2020 depois de ter ficado com as contas fragilizadas pelas condenações na Operação Lava Jato.

Para fazer frente à crise financeira enfrentada, a Novonor alienou suas ações da Braskem como garantia de empréstimo a 5 bancos, seus principais credores no processo de recuperação judicial. O débito da Novonor com esses bancos é de cerca de R$ 15 bilhões.

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem estimulado a transação que salvaria a Novonor e permitiria a volta da Petrobras para o setor petroquímico, um desejo do governo e do PT. No mercado, há um consenso de que a palavra final sobre a venda será dada por Lula.

Em julho, o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, afirmou em um café com jornalistas que a petroleira terá o privilégio de ser a última a se manifestar e analisará todas as propostas.

A proposta inicial da Apollo/Adnoc não previa participação remanescente da Novonor, o que vem sendo negociado agora.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.