Para Unicef, 5 milhões de crianças estão “à beira do abismo” em Darfur

Mulher sudanesa que fugiu da violência em seu país tenta coletar água de barril na fronteira entre Sudão e Chade
26/04/2023 REUTERS/Mahamet Ramdane
© REUTERS/Mahamet Ramdane

A Unicef alertou nesta terça-feira (21) que pelo menos cinco milhões de crianças estão “à beira do abismo” na região de Darfur, oeste do Sudão, por causa da guerra entre o exército sudanês e as forças paramilitares de Apoio Rápido (RSF).

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) registrou – desde o início das hostilidades – mais de 3.100 denúncias de violações graves dos direitos das crianças no país africano, sendo, pelo menos, metade naquela região.

Ainda assim, sublinhou a agência das Nações Unidas, esses dados “são apenas a ponta do iceberg”, uma vez que a informação tem sido muito condicionada pelos cortes nas comunicações e pela falta de acesso a várias regiões.

“O Sudão, e o Darfur em particular, tornou-se um inferno para milhões de crianças e milhares delas estão sendo alvo de ataques étnicos, mortas, feridas, vítimas de abusos e exploradas. Isto tem de acabar”, afirmou a diretora executiva do Unicef, Catherine Russell.

O número de violações graves dos direitos da criança no Darfur – desde o início do conflito interno em 15 de abril deste ano – representa um aumento de 550% em relação ao total verificado em 2022.

Dos casos de assassinatos e mutilações no Sudão, 51% envolvem crianças que vivem na região do Darfur, que também é responsável por 48% de todos os casos relatados de violência sexual no país.

Mais de 1,2 milhão de crianças com menos de cinco anos no Darfur sofrem de subnutrição aguda, entre as quais 218 mil delas sofrem de subnutrição aguda grave, a forma mais mortal do flagelo.

O Unicef sublinhou ainda que continua recebendo informações preocupantes sobre o recrutamento e a utilização de crianças no conflito.

O recente recrudescimento dos combates conduziu, por outro lado, a vagas expressivas de deslocações. Os novos deslocados internos no Darfur ascendem a 1,7 milhão de pessoas, quase 40% do total nacional.

Quase 50% destas pessoas são crianças que enfrentam riscos acrescidos de abuso, violência, exploração e separação dos seus cuidadores, salienta a organização.

A agência sublinhou, ainda, que os serviços básicos entraram em colapso na região, devido a dificuldades de acesso, pilhagens e falta de recursos financeiros, situação que é agravada por ataques aos trabalhadores dos serviços básicos nas zonas de conflito. Além desse quadro, enfermeiros, professores, médicos e assistentes sociais não são pagos há meses e um grande número de infraestruturas críticas foi danificado ou ficou sem abastecimentos.

Há uma geração de crianças no Darfur em risco de perder o direito à educação, acrescentou o Unicef, ao mesmo tempo que apelou por um cessar-fogo imediato e ao respeito do direito humanitário internacional pelas partes em conflito, que deverão proporcionar o acesso ilimitado à ajuda necessária a milhões de crianças vulneráveis.

A agência apelou à comunidade internacional para que reforce o financiamento dos serviços essenciais de resiliência e de socorro e para que aumente o apoio ao acesso humanitário sem entraves a esta região do Sudão.

A guerra, que resultou de divergências profundas entre o exército e as forças paramilitares de Apoio Rápido  no dossiê relativo à integração do grupo paramilitar nas forças armadas, fez descarrilar o processo de transição que se arrasta desde a queda do ex-presidente Omar Al Bashir, em abril de 2019, após 30 anos no poder.

O confronto já causou milhares de mortos e mais de 7,1 milhões de deslocados internos no Sudão, tornando-o o país africano com o maior número de deslocados internos do mundo, segundo as Nações Unidas.

As partes mantiveram recentemente conversações na Arábia Saudita, mas não chegaram a um acordo sobre um cessar-fogo.

É proibida a reprodução deste conteúdo.

Fonte: Agência Brasil

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.