Pai de atirador no ES diz que filho fez ‘algo terrível’ e nega viés nazista

O pai do adolescente de 16 anos que cometeu um atentado a tiros contra duas escolas em Aracruz, no Espírito Santo, afirmou ao jornal “O Estado de S. Paulo” que o filho fez “algo terrível” e que vai pedir desculpas às famílias das vítimas em “momento oportuno”. Quatro pessoas morreram, conforme o mais recente boletim da Secretaria da Saúde do Estado.

“Meu filho cometeu algo terrível, que nunca poderia ao menos imaginar”, disse à reportagem o pai do atirador, que foi apreendido e vai responder por ato infracional análogo aos crimes, quatro homicídios qualificados e nove tentativas de homicídio qualificado. Os agravantes são o motivo fútil e a impossibilidade de defesa das vítimas.

Tenente da Policia Militar capixaba, o pai havia publicado nas redes sociais uma foto da capa do livro “Minha Luta”, em que Adolf Hitler expôs suas ideias antissemitas. A publicação gerou debates nas redes sociais, com pessoas associando o pai à ação do filho.

“Você quer saber de livro da biografia de Hitler. Livro péssimo. Li e odiei”, afirmou o PM à reportagem, sobre a obra considerada referência ideológica para neonazistas. Ele não comentou o fato de o filho ter usado, conforme apuração da polícia, uma suástica na roupa durante o atentado em uma escola pública e outra particular no norte do Espírito Santo.

O policial não quis comentar como o filho teve acesso à sua arma e ao carro da família e pediu para que a dor dele fosse respeitada.

O atentado deixou três mortos no local – sendo duas professoras e uma aluna de 12 anos. A quarta vítima fatal, uma mulher de 38 anos, morreu neste sábado, dia 26. Ela estava internada em estado gravíssimo. Há adultos e menores em estado grave na rede hospitalar capixaba.

O atentado

Duas escolas foram alvo de um atentado a tiros, na manhã de ontem, em Aracruz, no litoral norte capixaba, cidade localizada a 81 km de Vitória. A ação teve quatro mortos e 12 feridos (cinco seguem internadas, a maioria em estado grave), de acordo com a Secretaria Estadual de Segurança Pública do Espírito Santo.

O adolescente de 16 anos foi apreendido, suspeito do crime. Segundo a Polícia Civil, ele se entregou no momento da detenção. Foi apreendido em casa. O adolescente estaria portando duas armas de fogo, um revólver calibre 38 e uma pistola .40, que pertencia ao pai.

De acordo com o capitão da PM Sérgio Alexandre, o atirador estava munido ainda de carregadores quando invadiu a primeira unidade de ensino. Ele teria ido diretamente à sala dos professores, onde ameaçou profissionais no local e deu início aos disparos. Em seguida, foi até a segunda escola, localizada na mesma avenida.

*Com informações do UOL, em São Paulo