O equívoco dos “ultraprocessados”

alimentos ultraprocessados
Articulista afirma que informações equivocadas refletem em um terrorismo alimentar; na imagem, alimentos processados

O processamento de alimentos –uma evolução histórica da humanidade– está sendo desacreditado e subjetivamente classificado como nocivo. Aditivos alimentares, ingredientes desenvolvidos com ciência, estudados e aprovados pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, sigla em inglês FAO (Food and Agriculture Organization) e pela OMS (Organização Mundial de Saúde), agora são considerados como veneno. E alimentos industrializados com origem na inovação e na tecnologia, como “ultraprocessados”.

Não se trata de uma categoria ou outra de alimento, ou de teores de sódio, açúcar e gordura saturada –que estão presentes tanto nos alimentos preparados em casa como nos preparados pela indústria. Estamos falando sobre centenas de alimentos, de categorias e perfis nutricionais diferentes, que compõem uma dieta saudável e equilibrada, amparada na educação sobre hábitos igualmente saudáveis.

A indústria brasileira de alimentos é essencial para a promoção da segurança alimentar: produz 270 milhões de toneladas de comida todos os anos. Alimentos que seguem padrões rígidos de qualidade e segurança, e que são aprovados por um conjunto exigente de normas e diretrizes do Ministério da Agricultura e da Anvisa.

Não há consenso, nacional ou internacional, sobre o que chamam de “ultraprocessados”. A ciência e a tecnologia de alimentos não reconhecem essa classificação, muitos pesquisadores se manifestaram contrários e diversos países optaram, inclusive, por não a utilizar.

Dentre as razões, destaca-se a já mencionada subjetividade. A pesquisadora Cecilia Nälsén, da Universidade de Örebro (Suécia), abordou essa questão no relatório “Alimentos Processados” (PDF- 825kB), lançado em 2023 por pesquisadores em ciência de alimentos e nutrição de diversas instituições acadêmicas de seu país.

“Ultraprocessado pode ser qualquer coisa: desde pão integral a refeições prontas. Quando um conceito se torna tão amplo e pouco claro, torna-se cientificamente inútil na prática”, afirma. “Já existem muitos mal-entendidos sobre alimentação e saúde e a comunidade de pesquisa não deve contribuir para aumentar a confusão”, afirma o relatório.

Mas a confusão só cresce no Brasil. Influenciadores, com pouco ou nenhum conhecimento da perspectiva multidisciplinar do acesso à alimentação no país, divulgam nas redes sociais todo tipo de recomendação. Até dizem que só se deve comer o pão feito em casa, porque o pão feito na indústria é um ultraprocessado que pode adoecer e até mesmo matar. Isso é honesto com a população brasileira?

Não bastasse o terrorismo alimentar que vivemos todos os dias, agora entra no debate a possibilidade de que alimentos industrializados sejam considerados nocivos à saúde e ao meio ambiente e sujeitos a uma tributação ainda maior, para ficarem mais caros e menos acessíveis à população. Isso é um constrangimento enorme em um país onde a insegurança alimentar e a fome atingem milhões.

O Brasil já possui a segunda maior carga tributária sobre alimentos industrializados do planeta. Enquanto aqui a média chega a 24,4%, nos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) esse percentual é de apenas 7%, segundo levantamento da Abia (Associação Brasileira de Indústria de Alimentos). A eventual imposição de mais impostos sobre alimentos –quaisquer alimentos– seria um claro retrocesso e, na prática, uma punição ao consumidor brasileiro.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.