“NYT” atinge 10 milhões de assinantes usando produtos não noticiosos

Fachada do jornal New York Times
Lucro operacional da companhia no trimestre foi de US$ 63,5 milhões; na imagem, a sede do New York Times em Nova York, nos EUA

Sentindo um pouco de déjà vu? Isso pode ser porque o Times já atingiu a marca de 10 milhões há mais de um ano. Mas eram 10 milhões de assinaturas totais -agora são 10 milhões de assinantes totais. Se você assinou separadamente, digamos, The Athletic [site de notícias sobre esportes] e NYT Crosswords [palavras cruzadas], contaria como 2 assinaturas, mas apenas 1 assinante.

É uma distinção fundamental para o modelo de negócios do Times, que evoluiu de uma oferta unificada única -as notícias- para uma variedade selecionada de produtos de conteúdo digital. E o foco da empresa está firmemente na conversão de assinantes de um produto para assinantes de todos.

Como já dissemos antes, tudo se resume ao pacote no New York Times nos dias de hoje. Em uma teleconferência para compartilhar resultados trimestrais com investidores na 4ª feira (8.nov.2023), os executivos do Times disseram novamente que pararam de comercializar o produto apenas de notícias. Em vez disso, os leitores foram direcionados para um pacote de ofertas digitais, incluindo Cooking, Games, The Athletic, Wirecutter, NYT Audio e, claro, notícias.

Aproximadamente 38% dos assinantes são assinantes de pacotes que pagam pelo acesso a mais de um produto, e o Times espera que esse número cresça para mais de 50% nos próximos anos.

“Temos evidências claras de que nossos funis não relacionados a notícias estão se tornando cada vez mais eficazes como entradas para o pacote”, disse a presidente e CEO do New York Times, Meredith Kopit Levien. Levien destacou, em particular, o “sucesso caseiro” Connections do NYT Games e disse que agora é jogado por mais de 10 milhões de usuários por semana.

A receita de assinaturas de produtos exclusivamente digitais aumentou 15,7%, impulsionada pelo Times convertendo assinantes em ofertas promocionais para ofertas mais caras, bem como pelo sucesso do Times ao aumentar o preço para “assinantes antigos não agrupados”.

“Embora ainda esteja relativamente no início, estamos encorajados pelos sinais de que os assinantes de pacotes retêm e monetizam melhor do que os assinantes apenas de notícias, à medida que os elevamos para preços mais altos”, observou o diretor financeiro do Times, Will Bardeen.

Enquanto isso, o The Athletic está perdendo menos dinheiro do que antes. O site de notícias esportivas triplicou a receita de publicidade no trimestre, disse Levien. A receita publicitária total cresceu 6% no último trimestre, apesar de os podcasts trazerem números inferiores ao esperado. Os números de publicidade do Times vão contra as tendências mais amplas da indústria. O padrão “o vencedor leva tudo” persiste.

“Eu diria macroeconomicamente que ainda é um período bastante incerto”, disse Levien. “Há 2 lugares onde dissemos que esperamos algumas contínuas dificuldades: um é a publicidade em impressos […] e então podcasts, especialmente podcasts de notícias, que continuam sob pressão por várias razões”.

Texto Traduzido por Evellyn Paola. Leia o original em inglês

O Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos do Nieman Journalism Lab e do Nieman Reports e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções já publicadas, clique aqui.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.