Mulher de líder do Comando Vermelho esteve com Boulos e Janones

André Janones (Avante-MG) e Luciane Barbosa (à esq.) estiveram juntos em 16 de março deste ano

Luciane Barbosa Farias, a “dama do tráfico amazonense”, recebida duas vezes no Ministério da Justiça em menos de 3 meses, também se encontrou com parlamentares governistas ao longo do ano. Imagens na rede social Instagram mostram Luciane com os deputados federais André Janones (Avante -MG), Guilherme Boulos (PSOL – SP) e Daiana Santos (PCdoB – RS) nos meses de março e maio.

Nesta 2ª feira (13.nov.2023), Janones e Boulos declararam não ter qualquer vínculo com ela ou seu marido, Clemilson dos Santos Farias, conhecido como “Tio Patinhas”, líder da facção Comando Vermelho no Amazonas. Ele era o “número 1” da polícia do Amazonas até ser preso em dezembro de 2022.

Eu quero deixar claro que a Câmara é aberta para visitas, é a casa do povo. Eu atendo a todos que chegam no meu gabinete ou me encontram nos corredores, sem distinção, uma vez que a segurança e a identificação é feita pela polícia da câmara, não por mim. Logo, se a pessoa entrou, é porque ela pode estar lá dentro”, afirmou Janones no X (antigo Twitter).

Guilherme Boulos disse que foi abordado por participantes da ILA (Associação Instituto Liberdade do Amazonas) no Salão Verde da Câmara dos Deputados. Luciane é presidente da organização, que diz prestar assistência social e jurídica para presos e seus familiares.

Segundo a polícia do Amazonas, a ONG atua em prol de presos do Comando Vermelho e é financiada com dinheiro do tráfico.

Segundo o deputado psolista, Luciane o abordou para denunciar casos de tortura nos presídios amazonenses.

Em vídeo publicado no Instagram do instituto, imagens mostram Luciane no Salão Verde, em frente aos gabinetes de Boulos e do deputado federal Capitão Alberto Neto (PL-AM) e conversando com o deputado do Psol em uma mesa.

A publicação é acompanhada pela legenda: “A nossa presidente esteve em alinhamento no congresso nacional sendo a voz de socorro de seus associados, levando casos concretos de violações de direitos humanos e a transcendência da pena aos familiares na maioria das denúncias . Não se cale se você tem voz e vez. Tortura e maus tratos aos familiares, egressos e reeducandos não serão mais silenciados

Nesta 2ª feira (13.nov), Luciane e o Instituto postaram juntos uma nota de esclarecimento à imprensa. No texto, ela declara não fazer parte de nenhuma organização criminosa e que luta para “garantir dignidade e direitos humanos” ao seu marido.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.