Mortes por calor extremo aumentarão quase em cinco vezes até 2050, aponta estudo

Pessoas se protegem do calor enquanto assistem ao show da banda pop-rock americana Imagine Dragons no Chateau de Chambord em Chambord, centro da França
Pessoas se protegem do calor enquanto assistem ao show da banda pop-rock americana Imagine Dragons no Chateau de Chambord em Chambord, centro da França — Foto: AFP

Quase cinco vezes mais pessoas morrerão provavelmente devido ao calor extremo nas próximas décadas, alertou uma equipe internacional de especialistas nesta quarta-feira, acrescentando que, sem ação sobre as alterações climáticas, a “saúde da humanidade corre grave risco”. O calor letal foi apenas uma das muitas formas pelas quais o uso ainda crescente de combustíveis fósseis no mundo ameaça a saúde humana, de acordo com The Lancet Countdown, uma importante publicação anual realizada por investigadores e instituições líderes.

Secas mais comuns colocarão milhões de pessoas em risco de morrer de fome, os mosquitos que se espalham mais longe do que nunca levarão consigo doenças infecciosas e os sistemas de saúde terão dificuldades para lidar com o fardo, alertaram os investigadores. A terrível avaliação surge durante aquele que se espera que seja o ano mais quente da história da humanidade – ainda na semana passada, o monitor climático europeu declarou que o mês passado foi o Outubro mais quente de que há registo.

Também surge antes das conversações climáticas COP28 em Dubai, no final deste mês, que pela primeira vez acolherão um “dia da saúde” no dia 3 de dezembro, enquanto os especialistas tentam esclarecer o impacto do aquecimento global na saúde.

Apesar dos crescentes apelos à ação global, as emissões de carbono relacionadas com a energia atingiram novas máximas no ano passado, afirma o relatório Lancet Countdown, destacando ainda enormes subsídios governamentais e investimentos de bancos privados em combustíveis fósseis que aquecem o planeta.

No ano passado, pessoas em todo o mundo foram expostas a uma média de 86 dias de temperaturas potencialmente fatais, de acordo com o estudo Lancet Countdown. Cerca de 60% desses dias foram duas vezes mais prováveis ​​devido às mudanças climáticas, afirmou. O número de pessoas com mais de 65 anos que morreram devido ao calor aumentou 85% entre 1991-2000 e 2013-2022, acrescentou.

“No entanto, estes impactos que vemos hoje podem ser apenas um sintoma inicial de um futuro muito perigoso”, disse Marina Romanello, diretora executiva do Lancet Countdown, aos jornalistas.

Em um cenário em que o mundo aqueça dois graus Celsius até ao final do século (atualmente está no caminho certo para 2,7ºC), as mortes anuais relacionadas com o calor foram projetadas para aumentar 370% até 2050. Isso representa um aumento de 4,7 vezes. Cerca de mais 520 milhões de pessoas sofrerão de insegurança alimentar moderada ou grave até meados do século, de acordo com as projeções.

E as doenças infecciosas transmitidas por mosquitos continuarão a espalhar-se por novas áreas. A transmissão da dengue aumentaria 36% em um cenário de aquecimento de 2°C, segundo o estudo. Entretanto, mais de um quarto das cidades analisadas pelos investigadores afirmaram estar preocupadas com o fato de as alterações climáticas sobrecarregarem a sua capacidade de resposta.

“Estamos enfrentando uma crise em cima de uma crise”, disse Georgiana Gordon-Strachan, do Lancet Countdown, cuja terra natal, a Jamaica, está atualmente no meio de um surto de dengue.

“As pessoas que vivem nos países mais pobres, que muitas vezes são menos responsáveis ​​pelas emissões de gases com efeito de estufa, estão a suportar o peso dos impactos na saúde, mas são menos capazes de aceder ao financiamento e à capacidade técnica para se adaptarem às tempestades mortais, à subida dos mares e às secas que destroem as colheitas. agravado pelo aquecimento global”, disse ela.

O secretário-geral da ONU , Antonio Guterres, respondeu ao relatório dizendo que “a humanidade está diante de um futuro intolerável”.

“Já estamos a assistir a uma catástrofe humana a desenrolar-se, com a saúde e os meios de subsistência de milhares de milhões de pessoas em todo o mundo ameaçados por um calor recorde , secas que provocam perdas de colheitas, níveis crescentes de fome, surtos crescentes de doenças infecciosas e tempestades e inundações mortais”, disse ele. em um comunicado.

Dann Mitchell, presidente de riscos climáticos na Universidade de Bristol, no Reino Unido, lamentou que os alertas de saúde “já catastróficos” sobre as alterações climáticas “não tenham conseguido convencer os governos mundiais a reduzir as emissões de carbono o suficiente para evitar a primeira meta do Acordo de Paris de 1,5°C”.

A ONU alertou na terça-feira que os atuais compromissos dos países reduzirão as emissões globais de carbono em apenas 2% até 2030 em relação aos níveis de 2019 – muito aquém da queda de 43% necessária para limitar o aquecimento a 1,5ºC. Romanello alertou que se não forem feitos mais progressos nas emissões, então “a crescente ênfase na saúde nas negociações sobre alterações climáticas corre o risco de ser apenas palavras vazias”.

Fonte: O Globo

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.