Morre, aos 86 anos, irmã mais velha de Donald Trump

Maryanne Trump Barry morreu aos 86 anos

Uma juíza federal aposentada em Nova Jersey, ela apoiava seu irmão, mas, como revelaram gravações de áudio secretas em 2019, também podia ser extremamente crítica dele. Maryanne Trump Barry morreu, nesta segunda feira (13), em sua casa no Upper East Side de Manhattan, segundo três pessoas familiarizadas com o assunto. Duas delas disseram que a polícia foi chamada para a casa na madrugada de segunda-feira. Nenhuma das pessoas especificou a causa, e todas falaram sob condição de anonimato.

A juíza Barry estava na magistratura federal em Nova Jersey, posição que o advogado Roy M. Cohn, o “solucionador” de Trump, foi creditado por ajudá-la a obter durante o mandato do presidente Ronald Reagan na década de 1980. Ela se aposentou em 2019, depois de se tornar foco de uma investigação judicial decorrente de uma investigação do The New York Times sobre as práticas fiscais da família Trump.

Parecia que Trump valorizava as palavras de poucas pessoas tanto quanto as de sua irmã mais velha, segundo confidentes. No entanto, a relação deles sofreu uma fissura significativa no último ano de seu mandato, quando sua sobrinha Mary L. Trump, que estava promovendo um livro sobre a família, divulgou gravações de sua tia falando duramente sobre o presidente.

Republicana, a juíza Barry foi nomeada para o Tribunal Distrital de Nova Jersey pelo presidente Reagan em 1983 e para o Tribunal de Apelações do Terceiro Circuito pelo presidente Bill Clinton em 1993. Ela era viúva de John J. Barry, um advogado veterano de julgamentos e recursos em Nova Jersey.

Ela se afastou do cargo após o The Times descobrir que os Trump se envolveram em esquemas fiscais duvidosos durante a década de 1990 para aumentar a riqueza herdada do Sr. Trump e de seus irmãos. A juíza Barry não apenas se beneficiou financeiramente da maioria desses esquemas, conforme constatou o Times; ela também estava em posição de influenciar as ações tomadas por sua família.

Na época, ela havia sido listada como juíza sênior inativa por dois anos. Sua aposentadoria tornou a investigação judicial sem efeito, uma vez que juízes aposentados não estão sujeitos às regras de conduta judicial.

As críticas contundentes da juíza Barry sobre seu irmão foram feitas em uma série de gravações de áudio secretamente registradas por Mary Trump em 2018 e 2019, enquanto a Sra. Trump trabalhava no livro “Too Much and Never Enough: How My Family Created the World’s Most Dangerous Man” (2020). As fitas de áudio, disponibilizadas ao The Washington Post, incluíam críticas que iam além de outros comentários cáusticos contidos no livro da Sra. Trump.

“O maldito tweet dele e as mentiras – oh, meu Deus”, disse a juíza Barry em uma das gravações. “Estou falando livremente, mas, você sabe. A mudança de histórias. A falta de preparação. As mentiras.” Em outro momento, ela disse: “Tudo o que ele quer é apelar para sua base. Ele não tem princípios. Nenhum.” Ela acrescentou: “É a falsidade e essa crueldade. Donald é cruel.” “Você não pode confiar nele”, disse ela.

Em 2020, Mary Trump entrou com um processo acusando o presidente e seus irmãos de enganá-la em relação à sua herança. Ela alegou que, para os Trump, “a fraude não era apenas o negócio da família – era um modo de vida.” A Casa Branca respondeu que as alegações da Sra. Trump eram autosserviço.

O Sr. Trump, 77 anos, que é o favorito à indicação presidencial republicana, mesmo enfrentando dezenas de acusações criminais em quatro casos, teve várias perdas pessoais nos últimos anos. Seu irmão mais novo, Robert, morreu em 2020, e o presidente realizou um serviço fúnebre para ele na Casa Branca. Sua primeira esposa, Ivana Trump, morreu no ano passado. Outro irmão, Fred Jr., morreu em 1981, aos 43 anos. A juíza Barry era a mais velha dos irmãos Trump.

Um porta-voz do Sr. Trump não respondeu a um pedido de comentário. Maryanne Elizabeth Trump, neta de imigrantes alemães, nasceu em 5 de abril de 1937, na cidade de Nova York, filha de Fred e Mary (McLeod) Trump. Seu pai, o magnata imobiliário e fonte de riqueza da família, desenvolveu milhares de apartamentos no Brooklyn e Queens. Sua mãe era uma imigrante escocesa.

A família morava na seção Jamaica Estates da Queen. A juíza Barry recordou uma vez: “A primeira vez que percebi que meu pai era bem-sucedido foi quando eu tinha 15 anos e um amigo me disse: ‘Seu pai é rico’. Éramos privilegiados, mas eu não sabia disso.”

Ela frequentou a escola particular Kew-Forest em Queens e se formou com bacharelado no Mount Holyoke College, em Massachusetts, em 1958. Obteve um mestrado em direito público e governo na Columbia University em 1962.

Após 13 anos como dona de casa, ela ingressou na faculdade de direito da Hofstra University, em Long Island, onde foi editora da revista jurídica. Formou-se em 1974 e trabalhou para o governo, tornando-se procuradora federal assistente em Nova Jersey. Foi chefe da divisão civil de 1977 a 1982 e procuradora dos Estados Unidos assistente de 1981 a 1983, tornando-se, na época, uma das mulheres mais bem posicionadas no escritório de um procurador federal.

Seu casamento com David Desmond em 1960 terminou em divórcio em 1980. Ela se casou com o Sr. Barry em 1982. Ele faleceu em 2000.

Além de seu irmão, seus sobreviventes imediatos incluem uma irmã mais nova, Elizabeth Trump Grau, e um filho de seu primeiro casamento, David William Desmond.

Ela era considerada uma juíza rigorosa. A juíza Barry rejeitou um acordo judicial que teria libertado dois detetives acusados de proteger um traficante de drogas; eles foram julgados e condenados. Ela decidiu a favor de um refugiado gambiano e criticou o magistrado que havia questionado sua solicitação de asilo. O magistrado foi posteriormente removido.

Em 2000, a juíza Barry escreveu a opinião majoritária em uma decisão do tribunal de apelações que derrubou uma proibição de abortos tardios em Nova Jersey, argumentando que era vagamente redigida e impunha um fardo indevido ao direito constitucional à privacidade de uma mulher em decisões médicas.

Mesmo sendo rigorosa no tribunal, a juíza Barry sugeriu que as mulheres relaxassem um pouco na questão do assédio sexual.

“Não fico atrás de ninguém ao condenar o assédio sexual às mulheres”, disse ela ao Comitê Interagências sobre Mulheres em Aplicação da Lei em 1992. “Mas o que está acontecendo é que toda piada sexy do passado, toda paquera, está sendo lembrada por algumas mulheres e revisada e reavaliada como assédio sexual. Muitas dessas acusações são, no livro de qualquer pessoa, frívolas.”

Em 2004, a juíza Barry recebeu um prêmio da Seton Hall University School of Law em homenagem às mulheres que se destacam em direito e serviço público, apresentado por Justice Sandra Day O’Connor da Suprema Corte.

Ao aceitar o prêmio, nomeado em homenagem à Justice O’Connor, a juíza Barry disse: “Digo às mulheres lá fora, lembrem-se de quão difícil era para mulheres como Justice O’Connor começarem. Mesmo tendo se formado com as melhores notas, ela teve que conseguir um emprego como secretária jurídica. Lembre-se de quão longe chegamos.”

Fonte: O Globo