Milei se esquiva ao ser questionado sobre relações com Brasil e China

Javier Milei
Javier Milei (foto) disse que tem o plano de exportar para 8 milhões de pessoas

O candidato à Presidência da Argentina Javier Milei se esquivou ao ser questionado por seu concorrente, Sergio Massa, se manterá as relações econômicas do país com o Brasil e a China.

“Sobre as mentiras [de] que eu digo que não devemos comercializar com a China ou o Brasil, [isso] é falso. É uma questão do mercado privado e o Estado não tem porque se meter, porque cada vez que se mete gera corrupção”, disse.

Assista: 

Massa reforçou a pergunta ao candidato liberal de direita, que não quis responder “sim” ou “não”. Voltou a dizer que se tratava de um assunto ao setor privado. “Se eu falo ou não com Lula, não é seu problema”, declarou Milei, na sequência.

Nesse momento, Massa falou que a posição “ideológica” do opositor iria acarretar na perda de “2 milhões de postos de trabalho e de R$ 28 bilhões de dólares”.

Milei negou e declarou que se a Argentina não exportasse para a China, por exemplo, poderia “comercializar por outros lados”.

“Penso em um país com comércio livre, que planeja exportar para 8 milhões de pessoas enquanto você fica com o mercado dos seus amigos”, disse Javier.

Massa questionou: “você quer exportar para 8 milhões de pessoas, mas não está disposto a negociar com a China e o Brasil?”.

“Não conte mentiras. Você é um mentiroso”, declarou Milei ao peronista.

O candidato liberal de direita também foi questionado quanto à privatização de Vaca Muerta. No início, Milei também se esquivou da resposta. Ao ser pressionado, disse que se trata de uma “questão provincial” e que, portanto, não iria se “meter” no assunto.

A reserva de Vaca Muerta, no oeste da Argentina, é uma formação geológica rica em gás e óleo de xisto. O xisto é um tipo de rocha metamórfica que tem um aspecto folheado e pode abrigar gás e óleo em frestas. Para extrair gás desse tipo de local há um processo considerado muito danoso ao meio ambiente, porque é necessário quebrar o solo, num sistema conhecido em inglês como “fracking”, derivado de “hydraulic fracturing”.

Em 26 de junho, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse estar “muito satisfeito” com a perspectiva “positiva” de o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) financiar a construção do gasoduto Néstor Kirchner.

Fico muito satisfeito com as perspectivas positivas de financiamento do BNDES à exportação de produtos para a construção do gasoduto Presidente Néstor Kirchner. Estamos trabalhando na criação de uma linha de financiamento abrangente das exportações brasileiras para a Argentina“, declarou Lula. Leia aqui a íntegra do discurso do petista.

Em dezembro, a Argentina já dava como certos US$ 689 milhões de financiamento do BNDES para concluir a construção do 2º trecho do gasoduto Néstor Kirchner, de quase 500 km.

O gasoduto custará US$ 689 milhões (R$ 3,5 bilhões). A Argentina já tem quase o dobro de gasodutos em relação ao que tem o Brasil. Com a ajuda de Lula, essa vantagem vai aumentar.

Nascido em 22 de outubro de 1970 em Buenos Aires, Milei é formado em economia pela Universidade de Belgrano. Tem 2 mestrados cursados no Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social e na Universidade Torcuato di Tella.

Foi economista-chefe da empresa de previdência privada Máxima AFJP e da empresa de assessoria financeira Estudio Broda.

Também trabalhou como economista sênior do HSBC e como assessor econômico do militar e ex-deputado Antonio Domingo Bussi, acusado de crimes contra a humanidade cometidos quando foi governador de Tucumán. 

O argentino de 52 anos integra ainda o B20 (Business 20), grupo de diálogo relacionado ao G20 para o setor empresarial, e o Fórum Econômico Mundial. Também já atuou como professor universitário de disciplinas sobre economia.

Na política, Milei foi eleito em 2021 para deputado. Ele se apresenta como um político de direita conservador “diferente de tudo que está aí” e usa o lema “contra a casta política”, que, segundo o deputado, refere-se aos políticos argentinos que vivem do Estado, fazem políticas “contra a população” e que não resolvem os problemas do país.

Sergio Tomás Massa, 51 anos, nasceu em 28 de abril de 1972 na cidade de San Martín, na província de Buenos Aires. É formado em Direito pela Universidade de Belgrano.

Sua carreira política começou em 1999, quando foi eleito deputado provincial de Buenos Aires. Três anos depois, em 2002, foi indicado pelo então presidente argentino, Eduardo Duhalde, para comandar a Anses (Administração Nacional de Segurança Social). Ele ficou na função por 5 anos.

Em 2007, Massa, já adepto ao kirchnerismo –ideologia política de esquerda relacionada ao ex-presidente Néstor Kirchner e a Cristina Kirchner, atual vice-presidente da Argentina–, foi eleito prefeito da cidade de Tigre, na província de Buenos Aires.

No entanto, teve que deixar o cargo por ser nomeado, em julho de 2009, Chefe de Gabinete da então presidente Cristina Kirchner. Ele permaneceu no cargo por quase 1 ano. Depois desse período, Massa retornou à prefeitura de Tigre, e foi reeleito em 2011. Ele também atuou como deputado nacional de 2013 a 2017 e de 2019 a 2022.

Nas eleições presidenciais de 2019, o advogado chegou a cogitar sua candidatura, mas desistiu para apoiar a chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner, atuais governantes da Argentina.

Em 3 agosto de 2022, Massa deixou o cargo de deputado e se tornou o 3º ministro da Economia da gestão de Fernández. Ele passou a comandar o órgão depois que o presidente decidiu unificar os ministérios da Economia, Desenvolvimento Produtivo e Agricultura, Pecuária e Pesca em uma tentativa de centralizar as ações para solucionar a crise econômica do país.

As eleições presidenciais argentinas são realizadas a cada 4 anos. Os candidatos à Presidência precisam de ao menos 45% dos votos válidos –excluídos brancos e nulos– ou 40% e uma diferença de 10 pontos percentuais em relação aos demais candidatos para vencer em 1º turno. 

Conforme a Direção Nacional Eleitoral da Argentina, os eleitores devem apresentar um documento de identidade em sua seção eleitoral para votar. O mesário entrega um envelope vazio e o eleitor se dirige a uma cabine, a chamada “sala escura”.

Então, o eleitor seleciona a cédula de preferência dos candidatos em disputa (individual ou por partido) e a insere dentro do pacote. Depois, deposita na urna e assina o registro eleitoral. Envelopes com irregularidades, como mais de um candidato, são considerados votos nulos.

Segundo o Código Eleitoral Nacional, o voto é contabilizado como nulo quando é emitido em cédula não oficial, ou que contenha rasura, ou contenha objetos estranhos. Já o voto branco é quando o envelope estiver vazio ou com papel de qualquer cor, sem inscrições ou imagens. 

O voto nas eleições nacionais é obrigatório para todos os cidadãos com idade de 18 a 70 anos. O eleitor que não votar e não justificar a ausência fica impedido de disputar cargos públicos. Quem não votar deve pagar uma multa que varia de 50 a 500 pesos (cerca de R$ 0,70 a R$ 6,96), a depender da região em que é feita a votação. No Brasil, quem não justificar a ausência, deve pagar uma multa de RS$ 3,51 por cada turno não votado.

Atualmente, a Argentina tem 35,8 milhões de eleitores, sendo que 449 mil moram no exterior. A população total do país é de 46,2 milhões.

Leia mais sobre:

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.