Manifestação contra anistia prometida por Pedro Sánchez a separatistas da Catalunha reúne 170 mil em Madri

Milhares de pessoas se reúnem em Madri contra projeto de anistia a líderes separatistas catalães
Milhares de pessoas se reúnem em Madri contra projeto de anistia a líderes separatistas catalães — Foto: Javier Soriano/AFP

Uma manifestação convocada por associações e centros cívicos ligados a direita e extrema direita espanhola reuniu cerca de 170 mil pessoas no centro de Madri, neste sábado, para protestar contra o projeto de anistia acordado pelo primeiro-ministro Pedro Sánchez com partidos separatistas catalães. O projeto, vital para que o líder de esquerda garantisse seu segundo mandato a frente do governo, poderia livrar líderes e ativistas que tentaram tornar a região independente de processos judiciais, e provocou uma forte reação de diversos setores da sociedade, incluindo um manifesto de militares reformados pedindo um golpe de Estado.

De acordo com a Delegação do Governo, este foi o maior ato realizado nos últimos dias contra a anistia. Reunidos na Plaza Cibeles, no coração de Madri, os manifestantes gritaram palavras de ordem contra Sánchez, enquanto agitavam bandeiras da Espanha e da União Europeia. “Sánchez traidor”, “Sánchez para a prisão” e “Catalunha é Espanha” eram algumas das palavras de ordem.

— O que [Pedro Sánchez] quer é desmembrar a Espanha, ter o País Basco de um lado e a Catalunha do outro, e dizer que nada aconteceu, que os juízes não valem nada — disse María Ángeles Galán, aposentada de 65 anos que compareceu a manifestação. — Ele não é um premier, é um criminoso.

O Partido Socialista Operário da Espanha (PSOE), liderado por Sánchez, ficou em 2º nas eleições legislativas realizadas em julho. Embora o conservador Partido Popular (PP), dirigido por Alberto Núñez Feijóo tenha ficado em primeiro, o premier conseguiu assumir o poder após costurar uma série de acordos para formar maioria no Parlamento. Isso incluiu conquistar o apoio da extrema esquerda e de partidos nacionalistas e independentistas da Catalunha e do País Basco.

Em troca do apoio, essencial para alcançar a maioria com a qual ser investido, Sánchez aceitou uma série de exigências, incluindo um projeto de anistia para líderes separatistas e ativistas processados ​​pelo seu envolvimento na tentativa fracassada de se separar da Catalunha em 2017.

Ao chegar no protesto deste sábado, Feijóo, exigiu que o premier não construísse “muros” nem “estressasse a sociedade” e afirmou que “uma coisa é ter poder e outra coisa é estar certo”. O presidente do Vox, Santiago Abascal, pediu a Feijóo uma reunião para coordenar a resposta da direita à anistia, mas não houve nenhuma aparição conjunta dos líderes durante o comício.

Fonte: O Globo

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.