Lula e seus tropeços

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) durante discurso em ato na avenida Paulista
Bolsonaro (foto) pediu anistia aos envolvidos no 8 de Janeiro durante ato na av. Paulista, em São Paulo, em 25 de fevereiro de 2024

O governo Lula 3 até que começou bem. Desconstruiu, em parte, o legado desastroso deixado pelo bolsonarismo durante 4 anos de terror em todos os sentidos. Recuperou, em parte, ganhos sociais, domou a inflação e deu algum alento ao desenvolvimento. Devolveu com certa dignidade o Brasil ao cenário mundial.

Não é pouco para um presidente que ficou 580 dias na cadeia por causa de acusações de um juiz de botequim.

Mas nem tudo são flores. A hesitação do presidente diante do “aniversário” do golpe de Estado de 1964 é uma mancha difícil de apagar.

Quem viveu aquela época, Lula (PT) inclusive, sabe o que significaram as torturas, perseguições e os ataques às liberdades democráticas. Sabe o que representa viver às escondidas, falar em códigos em bares ou parques e olhar aos cantos à procura de “ratos” fantasiados de casacos de couro.

Choram até hoje mortes como a de Rubens Paiva, Vladimir Herzog, Manoel Fiel Filho, Vanuchi Leme, Honestino Guimarães e outros tantos que não se conhecem e que tiveram o destino selado pela força das armas a soldo dos Estados Unidos.

Como esquecer isso?

Golpes não se esquecem. O Brasil dá um vexame internacional diante da Argentina e do Chile, por exemplo, que foram à caça dos ditadores e asseclas para fazê-los pagar pelas atrocidades cometidas.

Aqui, os tubarões ganharam a sorte grande com uma anistia vergonhosa, simbolizada por gente como Brilhante Ustra e generais.

Golpes são golpes. Foi o que se ensaiou no dia 8 de Janeiro, quando Brasília virou palco de uma turba de bolsonaristas tresloucados.

O que eles queriam senão mais um golpe?

Agora pedem anistia, a começar por Jair Bolsonaro (PL), chefe da intentona fracassada. Ele e militares de alta ou baixa patente que se fingiram de mortos diante da insurreição em Brasília. Seria uma vergonha ainda maior. Aquele cidadão, que conta os dias até passar um bom tempo na cadeia, posa de “democrata”. Enquanto isso, sonda embaixadas onde tomar um cafezinho.

Nada disso. Golpes são golpes e devem ser tratados assim numa democracia: cadeia para todos.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.