Lula defende Dino: “Jamais encontrou mulher de líder de facção”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu nesta 4ª feira (15.nov.2023) o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, das supostas acusações de ter se encontrado com Luciane Barbosa Farias, conhecida como a “dama do tráfico” do Amazonas.

“Minha solidariedade ao ministro Flávio Dino que vem sendo alvo de absurdos ataques artificialmente plantados. Ele já disse e reiterou que jamais encontrou com esposa de líder de facção criminosa. Não há uma foto sequer, mas há vários dias insistem na disparatada mentira”, disse Lula na rede social X (ex-Twitter). 

Segundo o chefe do Executivo, o Ministério da Justiça tem coordenado ações de “enorme importância para o país”. O presidente citou a defesa da democracia, o combate ao armamentismo selvagem, o enfrentamento ao crime organizado, ao tráfico e às milícias, e a proteção da Amazônia.

Lula disse que as ações do ministério despertam muitos adversários, que não se conformam com a “perda de dinheiro e dos espaços para suas atuações criminosas”, e justificou os ataques a Dino pela atuação contra criminosos.

“Daí nascem as fake news difundidas numa clara ação coordenada. Nós reiteramos: não haverá recuos diante de criminosos e seus aliados, estejam onde estiverem, sejam eles quem forem”, declarou o presidente.

Luciane Barbosa Farias, conhecida como “dama do tráfico” amazonense, é casada com Clemilson dos Santos Farias, o “Tio Patinhas”, apontado como líder do Comando Vermelho. Ele foi condenado por lavagem de dinheiro, associação ao tráfico e organização criminosa, e cumpre pena de 31 anos no presídio de Tefé (AM).

Luciane é presidente da ILA (Associação Instituto Liberdade do Amazonas), e foi recebida duas vezes no Ministério da Justiça em menos de 3 meses, também se encontrou com congressistas governistas ao longo do ano. A agenda foi com secretários da pasta.

Na 3ª feira (14.nov), a chefe da associação pelos direitos de presidiários disse que não integra nenhuma facção criminosa e que conheceu sua alcunha de “dama do tráfico amazonense” na 2ª feira (13.nov.2023), pela imprensa.

“Nunca fui conhecida como ‘dama do tráfico’, e sim como ‘Lu Farias’”, disse em entrevista a jornalistas.

Luciane disse que foi investigada por associação ao tráfico, mas absolvida em 1ª instância. “Não ficou comprovado que eu fazia parte de organização criminosa. Não sou faccionada, sou esposa do Clemilson. Meu esposo está preso, pagando pelo erro dele. Nunca levantei bandeira defendendo o crime. Mas defendo a Constituição”, falou.

“Estava lá [no Ministério da Justiça] como presidente da instituição, levando um dossiê referente às mazelas do sistema prisional. O meu trabalho na instituição é levantar denúncias dos familiares sobre o sistema carcerário”, explicou Luciane aos jornalistas.

Ela também disse nunca ter se encontrado com o ministro da Justiça, Flávio Dino, e que não informou ser casada com Clemilson em suas visitas ao ministério.

O caso foi revelado pelo jornal O Estado de São Paulo.

Fonte: Poder360