Juíza que gritou com testemunha em SC pede licença médica

Kismara Brustolin
Caso se deu com a juíza Kismara Brustolin, do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (Santa Catarina)

A juíza Kismara Brustolin, do TRT-12 (Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região) pediu na 4ª feira (29.nov.2033) licença médica de 15 dias. A magistrada está suspensa enquanto o órgão investiga sua conduta na audiência em que ela exigiu aos gritos ser chamada de “excelência” e pediu que o depoente fosse retirado da videoconferência.

Conforme o TRT-12, a magistrada solicitou afastamentos por diversas vezes, desde 2014, “por doença de transtorno bipolar”. O órgão declarou que a licença não interfere no procedimento instaurado internamente para apurar possíveis irregularidades em sua conduta na audiência.

O caso se deu em 14 de novembro, na Vara do Trabalho em Xanxerê, no oeste de Santa Catarina, mas o vídeo viralizou apenas na 3ª feira (29.nov). Nas imagens, Brustolin aparece exaltada e afirma que, se a testemunha não se referir a ela como “excelência”, o depoimento será “totalmente desconsiderado”. Ela ainda chama o depoente de “bocudo”.

Assista ao vídeo (2min52s):

Depois da repercussão do caso, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) abriu um procedimento para apurar o caso. Segundo o despacho ao qual o Poder360 teve acesso, o órgão entende que a juíza de Santa Catarina pode ter “violado deveres inerentes à magistratura, dentre os quais o dever de urbanidade para com os advogados, partes e testemunhas”.

Em nota (íntegra –21 kB – PDF), o TRT-12 informou que decidiu pela suspensão “imediata” de audiências realizadas por Brustolin, “sem prejuízo do proferimento de sentenças e despachos que estejam pendentes”.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.