João Grandão é considerado foragido em operação que prendeu Wendel Lagartixa e sargento da PM

Policiais civis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) deflagraram nesta quarta-feira (20) a Operação “Aqueronte”, com o objetivo de prender os envolvidos em um triplo homicídio consumado e em três homicídios tentados. Os crimes aconteceram no dia 29 de abril deste ano, por volta das 14h, no bairro da Redinha, na Zona Norte de Natal.

Foram presos o pré-candidato a deputado estadual pelo PL, Wendel Fagner Cortez de Almeida, mais conhecido como Wendel Lagartixa, que é policial militar reformado, e o sargento da PM Francisco Rogério da Cruz. Um terceiro suspeito, o ex-PM João Maria da Costa Peixoto, mais conhecido como “João Grandão”, segue foragido.

Segundo as investigações, o crime vitimou Yago Lucena Ferreira, Rommenigge Camilo dos Santos e Felipe Antoniere Araújo, e foi cometido mediante recurso que impossibilitou a defesa das vítimas e em atividade típica de milícia privada ou grupo de extermínio, o que agrava a pena. Outros três homens foram vítimas do crime na modalidade tentada, e sobreviveram aos disparos.

Nome da Operação

A operação foi batizada de “Aqueronte” em alusão ao nome da rua em que o crime ocorreu (rua Rio Doce). Segundo a mitologia grega, o rio Aqueronte era utilizado por Carontes, o barqueiro de Hades, que carregava as almas dos recém-mortos sobre as águas dos rios Estige e Aqueronte, que dividiam o mundo dos vivos do mundo dos mortos.

Os dois suspeitos foram conduzidos até a DHPP. Eles permanecerão à disposição da Justiça. A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações, de forma anônima, por meio do Disque Denúncia 181.