Janja defende que mulheres ocupem 50% das cadeiras do Congresso

Janja
Segundo a primeira-dama, Janja, as cotas para mulheres nos partidos não são mais suficientes

A primeira-dama Rosângela Lula da Silva, a Janja, defendeu nesta 3ª feira (14.nov.2023) a paridade de gênero no Congresso Nacional. Segundo a mulher do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a legislação eleitoral brasileira “tem que mudar”.

Janja disse ainda que as cotas para mulheres nos partidos não são mais suficientes. “Nós precisamos lutar por cadeiras, a legislação eleitoral tem que mudar e nós precisamos lutar por um parlamento com paridade, 50% por 50%”, disse a primeira-dama durante o evento “Mulheres no Poder: Estratégias para Implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU para Alcançar a Igualdade de Gênero”, promovido pelo Ministério das Mulheres e realizado no Palácio do Planalto.

Durante o seu discurso, a primeira-dama afirmou que foram as mulheres que elegeram Lula nas eleições de 2022. Disse ainda que o petista pretende trabalhar junto com elas pela igualdade de gênero e citou o número de mulheres no 1º escalão do governo Lula.

Originalmente, a “bancada feminina” do 1º escalão do governo era composta por: Nísia Trindade (Saúde), Luciana Santos (Ciência, Tecnologia e Inovações), Anielle Franco (Igualdade Racial), Margareth Menezes (Cultura), Cida Gonçalves (Mulheres), Esther Dweck (Gestão e Inovação), Sonia Guajajara (Povos Indígenas), Simone Tebet (Planejamento e Orçamento), Marina Silva (Meio Ambiente), Daniela Carneiro (Turismo) e Ana Moser (Esporte).

Dessas, duas já deixaram o governo: Ana Moser e Daniela Carneiro. Além delas, a então presidente da Caixa Federal, Rita Serrano, também foi demitida. Os 3 cargos foram ocupados por homens: André Fufuca, Celso Sabino e Carlos Vieira respectivamente.

Sem mencionar as demissões das 3 mulheres, Janja afirmou que a política é “complexa” e “obriga” as pessoas a tomarem determinadas atitudes. “Às vezes, a gente acha que está difícil, que não podia ter feito isso ou aquilo, mas a política é bem complexa, às vezes obriga a gente a fazer alguma coisa”, disse.

Janja ainda citou as críticas que tem recebido por ser muito presente nas decisões do governo. “A mídia e os políticos me criticam como se eu estivesse indo além do aceitável como primeira-dama”, afirmou, mas acrescentou que sua contribuição, segundo ela, é “importante” para “reverberar e ampliar muitas outras vozes e mensagens”.

No evento, o governo recebeu autoridades mulheres de todo o mundo, como as ex-presidentes do Chile, Michelle Bachelet, e da Costa Rica, Laura Chinchilla; e a ex-primeira-ministra do Senegal, Aminata Touré.

Autoridades brasileiras também comparecem à cerimônia. Eis a lista:

Assista (1h22min):

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.