Incidência de casos de dengue aumentam 264% no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde

Os casos de dengue no Brasil, cresceram aproximadamente 264% segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o indicativo é comparado com o período de março de 2018. Os números epidemiológicos mostram que as incidências mais que dobraram em relação ao ano passado. De acordo com a pesquisa a região sudeste é a que mais sofre com a doença. As regiões Norte e Nordeste também registraram aumento: (15.183 casos ou 6,6 %) e (17.137 casos ou 7,5 %) respectivamente.

Já no Rio Grande do Norte, os números apontam que os casos prováveis de dengue continuam praticamente o mesmo. A redução foi de apenas 0,2% em comparação com janeiro de 2018. Até o dia 02 de fevereiro, foram notificadas 450 ocorrências. No mesmo período no ano anterior, foram registrados 451 casos de dengue, não registrados óbitos em decorrência da doença neste ano.

O clínico geral Geraldo Pinheiro, da rede de Saúde Hapvida, alerta para os sintomas. “Geralmente a febre alta, entre 39º a 40ºC, é o primeiro sinal da infecção pela picada do mosquito. Dores no corpo, dor de cabeça e articulações, náuseas e vômitos são comuns. Em alguns casos também apresenta manchas vermelhas na pele”.

 Segundo o médico, na fase febril inicial a enfermidade pode ser confundida com outras doenças e, apesar de, na maioria das vezes, a doença ter um curso benigno, “deve-se sempre procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados urgente”, pois há risco de óbito nos casos de evolução grave.

O auxiliar de serviços gerais, Jadyson Bezerra (26), foi diagnosticado com dengue hemorrágica e precisou ser internado. “Pensei que estava ficando gripado e não me preocupei em ir ao médico, quando cheguei ao hospital a doença tinha evoluído para um quadro mais grave”, relembrou.

Alguns cuidados pode evitar a proliferação do mosquito são práticos e fáceis de fazer, como não acumular água limpa e parada, colocar telas nas janelas, areia nos vasos das plantas, manter a piscina limpa e a lixeira tampada entre outras ações que ajudam a manter a rua e o bairro longe da doença.