IAs perdem talentos sob escrutínio do copyright

códigos de programação sobrepõe imagem de mulher gerada por IA
Articulista afirma que as infrações das empresas de IA sobre o copyright acontecem no momento de aquisição do dataset e treino; na imagem, códigos de programação sobrepõe imagem de mulher criada por IA

Na 6ª feira (17.nov.2023) a gigante da Inteligência Artificial OpenAI anunciou a demissão de seu até então CEO Sam Altman, deixando como sucessora Mira Murati, que ocupava o cargo de CTO (Chefe de Tecnologia). Na carta aberta, lê-se que Altman “não era consistentemente franco com o conselho corporativo”, e que este “não tem mais confiança em sua habilidade para continuar a liderança”.

O conselho diretorial segue por reforçar mais duas vezes no mesmo texto sua nobre missão de “garantir que a inteligência artificial geral beneficie toda a humanidade”, e o fato de ser fundada como uma empresa sem fins lucrativos em 2015, mas reestruturada em 2019 para “garantir que consiga levantar capital para esta missão, enquanto preserva a missão, governança e supervisão da organização sem fins lucrativos”.

O momento coincide com o fim do prazo de chamamento para comentário público sobre inteligência artificial do U.S. Copyright Office, que tem como objetivo determinar se são necessárias mudanças à lei de copyright estadunidense para regular a IA, assunto que entrou em pauta no Brasil em discussões envolvendo o 65º Prêmio Jabuti e direito autoral apresentadas por artistas e especialistas brasileiros neste Poder360 e na Folha de S.Paulo.

Ed Newton-Rex, em carta aberta depois de seu pedido de demissão do cargo de líder do time de Audio, uma das 3 grandes áreas da Stability AI, conta em riqueza de detalhes que resignou por “não concordar com a opinião da companhia que treinar modelos de IA gerativa em trabalhos protegidos por copyright é ‘uso justo’”.

Adicionou sobre o chamamento do U.S. Copyright Office, que “a Stability AI foi uma das muitas empresas de IA a responder. Sua submissão de 23 páginas inclui isto na página de abertura: ‘Nós acreditamos que o desenvolvimento de IA é um uso aceitável, transformativo e socialmente benéfico do uso de conteúdo protegido por uso justo’.”

Newton-Rex expande que o ‘uso justo’, ou fair use, nesse caso alega que “treinar um modelo de IA em trabalhos protegidos não infringe o direito de cópia, e por isso pode ser feito sem permissão, e sem pagamento”, e que “esta é uma postura bem padronizada nas muitas empresas de IA gerativa e outras big techs construindo estes modelos”.

É uma opinião comum que a IA infringe o direito autoral, mas poucos especialistas ajudam a identificar onde isso ocorre, por conflito de interesses ou não. Aqui, Ed é bastante claro: as infrações das empresas de IA sobre o copyright acontecem no momento de aquisição do dataset e treino, em especial na composição das bases de dados, que em si contém cópias modificadas dos trabalhos originais estudados.

Essa questão ética é longe de ser a única presente no histórico do modelo maquiavélico de trazer a IA para toda a humanidade, por isso devemos questionar sempre seu produto final quando posto pela mídia, músicos, escritores e artistas visuais: esse trabalho de inteligência artificial é livre de violência?

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.