Hospitais no norte de Gaza deixaram de funcionar, diz Hamas

3935WD-ISRAEL-PALESTINIANS_GAZA_HOSPITAL_O_
© Reuters

Todos os hospitais da província de Gaza, no norte do território, deixaram de funcionar, disse nesta segunda-feira (13) o vice-ministro da Saúde do enclave palestino, Youssef Abou Rich.

Desde sexta-feira (10), o cerco das tropas israelenses aumentou em torno das unidades de saúde, principalmente na cidade de Gaza, o centro dos combates. O Exército israelense afirma que os hospitais na Faixa de Gaza estão sendo usados pelo Hamas para atacar Israel.

Essas unidades estão agora sem eletricidade devido à falta de combustível, necessário para funcionar os geradores e cuja escassez se deve ao cerco imposto por Israel.

Seis bebês prematuros e nove pacientes em cuidados intensivos morreram devido à falta de eletricidade no Al-Shifa, o maior hospital da Faixa de Gaza, anunciou também hoje o vice-ministro da Saúde.

De acordo com o relatório diário do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, os últimos ataques causaram danos à área de doenças cardiovasculares e à maternidade, entre outras instalações na cidade de Gaza, capital da faixa.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que perdeu contato com Al-Shifa, enquanto outro hospital na capital de Gaza, o Al-Quds, já não funciona por falta de combustível.

Em 7 de outubro, o Hamas fez um ataque sem precedentes a território israelense, deixando mais de 1.200 mortos, a maioria civis, e mais de 200 reféns, que mantém em cativeiro na Faixa de Gaza.

Iniciou-se então forte retaliação de Israel ao enclave palestino, controlado desde 2007 pelo Hamas, com cortes do abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível, além de bombardeios diários, seguidos de ofensiva terrestre que completou, na quinta-feira (9), o cerco à cidade.

O conflito deixou até agora pelo menos 11 mil mortos na Faixa de Gaza e 1.400 em Israel.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Fonte: Agência Brasil

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.