Guerra contra carnes não consegue baixar consumo

Plant Based Treaty
Arte do Plant Based Treat diz que consumo de carne causa "poluição" e que consumir vegetais é a "solução"

“Less Meat, Less Heat” (Menos Carne, Menos Calor). É uma das bandeiras do “Plant Based Treaty”, o tratado global baseado em plantas, lançado em 2021, que reúne mais de duas dezenas de grandes cidades globais, como Amsterdã (Holanda), Los Angeles (EUA) e Edimburgo (Escócia). O movimento vegano foi retratado em reportagem da repórter Cara Buckley, do New York Times, transcrita e publicada no domingo (31.mar.2024) pelo jornal OEstado de S. Paulo.

Sem banir o consumo de carnes e lácteos, essas cidades buscam substituir as proteínas animais por vegetais e frutas no cardápio de escolas e instituições públicas e convencer a população a fazer o mesmo com a sua dieta.

“Somos uma iniciativa popular que cria pressão de baixo para cima para a negociação de um Tratado Global Baseado em Plantas como complemento do Acordo de Paris da UNFCCC, a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Inspirado no Tratado dos Combustíveis Fósseis, o Tratado Baseado em Plantas visa a colocar os sistemas alimentares na vanguarda do combate à crise climática para travar a degradação generalizada de ecossistemas críticos causada pela pecuária e promover uma mudança para dietas vegetais mais saudáveis ​​e sustentáveis”, diz o site da organização.

A reportagem do New York Times cita um estudo de 2023 da Universidade de Oxford, que compara as emissões de gases de efeito estufa de dietas veganas e dietas ricas em carnes.

As veganas registram 75% menos emissão, 54% menos utilização de água e 66% menos perdas de biodiversidade. A pecuária é responsável por 14,5% das emissões de gases de efeito estufa provocadas pelo homem, segundo a ONU (Organização das Nações Unidas).

A cruzada contra as carnes, porém, não conseguiu ainda conter o consumo global que, pelo contrário, está em franca ascensão. Um documento do Pnumac (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), de dezembro de 2023, indica que o consumo mundial de carnes em 2050 deverá ser aproximadamente 50%, ou ainda maior, do que o atual.

O crescimento será maior nos países emergentes e em desenvolvimento, onde muitos consumidores terão acesso às carnes pela 1ª vez na vida. Mas mesmo na Europa, apesar da expansão do veganismo, alguns países como Espanha, Portugal e Áustria têm elevado o consumo per capita de carnes e nada indica que os consumidores devam renunciar a um suculento bife nas refeições do dia a dia.

No Brasil, a produção total de carnes no Brasil (bovinos, suínos e aves) para 2025 é prevista em 30,9 milhões de toneladas, volume 2,7% superior a 2024. A exportação deve alcançar 9,5 milhões de toneladas e o consumo (disponibilidade per capita), de 104,9 kg/habitante/ano, representa 2,3 kg a mais do recorde de 2023 (102,6 quilos). Preços mais baixos, melhoria de renda salarial e queda do desemprego devem contribuir para o novo recorde.

Se nos anos 2000, os alimentos ultraprocessados dominavam o cardápio mundial, com o primado das refeições prontas e fora do lar, a partir de 2020, sob a influência da pandemia, a preocupação com a saúde, impactos ambientais da produção rural e crise climática começam a mostrar um consumidor mais consciente, atraído por uma dieta mais natural.

Essa é uma das conclusões da análise sobre a evolução do consumo de alimentos, publicada na edição de março da Hortifruti Brasil, editada pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da USP (Universidade de São Paulo).

A equipe da Hortifruti Brasil estudou relatórios sobre consumo de alimentos de organizações e consultorias com Euromonitor, Mintel e FAO/ONU, e apontou algumas tendências.

Na década de 2000, as refeições prontas e a comida por quilo estabeleceram um padrão de consumo marcado pela conveniência e facilidade de preparo. A indústria de alimentos ampliou o cardápio de processados e ultraprocessados, o que contribuiu para uma forte queda do consumo de frutas e hortaliças frescas.

Dados da POF (Pesquisa de Orçamento Familiar), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostram que, de 2002-2003, o percentual de despesas em alimentação fora de casa era de 24,1% (rural e urbana), passando para 33,1% em 2008-2009.

Com a pandemia, a partir de 2019, o consumidor passa a se interessar pelo modo como os alimentos são produzidos, seus impactos ambientais, os efeitos das mudanças climáticas sobre o planeta e a comida saudável.

Há uma procura um pouco maior por alimentos frescos e mais funcionais por causa da volta das refeições no lar e a busca pelo consumidor por alimentos que fortaleçam a imunidade. Mas os longos períodos de isolamento incentivaram também o consumo de ultraprocessados como salgadinhos e doces.

Um estudo da USP e da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) a partir de dados do Datafolha e do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) avaliou o consumo de alimentos em 2019, 2020 e 2021 –os 2 últimos, anos da pandemia.

Nos primeiros anos do levantamento, houve aumento significativo no consumo de cereais, leite, salgadinhos de pacote ou biscoitos salgados e molhos industrializados.

A comparação de 2019 a 2021 e de 2020 a 2021 mostra diminuição significativa no consumo de cereais, hortaliças, frutas e sucos de fruta industrializados e alta no consumo de refrigerante, biscoito doce, recheado ou bolinho de pacote, embutidos, molhos e refeições prontas.

Nos anos da pandemia, os pesquisadores verificaram um aumento de alimentos ultraprocessados, principalmente refrigerantes, margarina, maionese e outros molhos industrializados.

O consumo de verduras e legumes aumentou 15,2% de 2022 a 2023, depois de ter uma forte queda durante a pandemia. Mas menos da metade da população no Brasil, 45,5%, consome verduras e legumes 5 vezes ou mais na semana, segundo informações do Covitel 2023 (Inquérito Telefônico de Fatores de Risco para Doenças Crônicas Não Transmissíveis em Tempos de Pandemia).

Nos próximos anos, segundo a análise da Hortifruti, o consumidor deve levar mais em conta as questões ambientais e da saúde ao fazer o seu prato.

O relatório “Macrotendências Mundiais até 2040”, publicado em 2022 pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), indica que o consumo e a produção devem se adequar principalmente aos fatores ligados à sustentabilidade e ao clima.

Para o consumidor, ações sustentáveis individualizadas são insuficientes para resolver os problemas climáticos, o que exige responsabilidade também das empresas.

Atentas às tendências de consumo, as indústrias de alimentos devem lançar novos produtos que auxiliam na prevenção de doenças degenerativas, melhora da função cardíaca, fortalecimento do sistema imunológico, ação anti-inflamatória, dentre outros.

“Muitos dos compostos que promovem tais ações se encontram nas frutas e hortaliças em sua forma natural, como os licopenos no tomate e na melancia, luteína nas folhosas verdes, taninos nas maçãs, e mais uma infinidade deles”, diz a análise da Hortifruti.

Segundo a publicação, o setor de frutas e hortaliças tem muitas vantagens ao proporcionar uma alimentação mais saudável. “Mas o produtor precisa colocar no papel como ele conseguirá lidar com as intempéries climáticas e o quanto isso impactará na oferta, nos preços e se o consumidor está disposto a pagar mais caro.”

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.