Governo investirá R$ 2 bi para digitalizar pequenas indústrias

Geraldo Alckimin
Alckmin avalia implementar programa para ajudar indústrias a renovar seu maquinário

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços lançou nesta 5ª feira (16.nov.2023) o novo programa Brasil Mais Produtivo terá R$ 2 bilhões para transformação digital de micro, pequenas e médias indústrias. A iniciativa deve beneficiar 200 mil micro, pequenas e médias empresas, incluindo as industriais, até 2027.

Desse total, 93.100 empresas industriais serão beneficiadas diretamente, recebendo consultores e serviços do Sebrae e Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial).

O programa tem parceria com:

Além desses, o Sebrae e o Senai serão executores do programa e vão entrar com aporte de recursos próprios.

Depois de receberem o diagnóstico do seu negócio, as empresas terão acesso ao financiamento da Embrapii, BNDES e Finep, disse o secretário de Desenvolvimento Industrial, Inovação, Comércio e Serviços, Uallace Moreira.

“O atendimento vai permitir a gente identificar o grau de maturidade da empresa porque cada uma vai ser tratada de forma individual. Não podemos tratar de forma homogênea um número grande de empresas. Esse trabalho personalizado vai fazer um diferencial muito grande”, disse.

O programa Brasil Mais Produtivo existe desde 2016. Até então, as instituições parceiras atuavam separadamente em duas frentes: enquanto o Sebrae prestava consultorias ao setor de Comércio e Serviços, o Senai atendia a indústria. Com a nova configuração, as duas entidades atuarão de forma coordenada.

Segundo o programa, o 1º passo será a elaboração de diagnóstico da maturidade para adoção de tecnologias industriais inteligentes, seguido de elaboração de projeto customizado, solução de financiamento e acompanhamento da implantação.

Desde 2016, já foram atendidas mais de 100 mil empresas. Os ganhos médios de produtividade foram superiores a 40% em linha de produção e de 22% decorrentes de melhores práticas gerenciais.

O novo Brasil Mais Produtivo terá 4 modalidades de atendimento até 2027:

Além de Geraldo Alckmin (PSB), também estiveram no evento o ministro do Empreendedorismo, Márcio França (PSB), a ministra da Ciência, Tecnologia e Inovações do Brasil, Luciana Santos (PCdoB), e o presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Ricardo Alban.

O vice-presidente disse: “Estamos juntando esforços para agir nas causas dos problemas, melhorar produtividade e competitividade. Temos que ter humildade de reconhecer que o Brasil perde produtividade há 40 anos. Se a gente não agir na origem do problema, não adianta agir nos efeitos. Precisamos agir na causa para ter crescimento econômico sustentável que gere emprego e renda”.

O vice-presidente também mencionou a “depreciação acelerada”, iniciativa que o governo avalia implementar para que as indústrias possam renovar seus maquinários. A ideia é que o governo abra mão do fluxo de arrecadação de impostos no 1º ano do programa, reduzindo a cobrança de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica e contribuição social sobre lucro líquido. A diferença será cobrada proporcionalmente nos anos seguintes. 

“Estamos trabalhando para implementá-lo. Isso vai ajudar muito todos os setores da economia”, disse a jornalistas.

No evento, o presidente da CNI, Ricardo Alban disse ser necessário aumentar a produtividade dos pequenos negócios industriais, tornando o desenvolvimento sistêmico em toda a cadeia produtiva. “Queremos desenvolver a ponta, mas vamos desenvolver todo esse encadeamento produtivo, com a pequena, micro e média indústria”, disse.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.