Frente Parlamentar do agro pede anulação de questão do Enem

Questão trata do agro no Cerrado e critica a

A FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária) emitiu uma nota nesta 2ª feira (6.nov.2023) em que pede “posicionamento urgente” do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a respeito de questões na prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2023. A frente pede que 3 questões, duas que abordam a atividade agropecuária no Brasil, sejam anuladas e quer convocação do ministro da Educação, Camilo Santana, para audiências no Congresso.

As perguntas são mal formuladas, de comprovação unicamente ideológica e permite que o aluno marque qualquer resposta, dependendo do seu ponto de vista. Anulação já!”, disse a FPA. Eis a íntegra da nota (PDF – 2 MB). A prova foi aplicada no domingo (5.nov).

A nota também demanda informações ao Ministério da Educação sobre a banca organizadora do Enem 2023 e as referências bibliográficas utilizadas para a elaboração do exame.

As questões, descritas como de “cunho ideológico e sem critério científico ou acadêmico” pela Frente Parlamentar da Agropecuária, são as de número 70, 71 e 89 (tendo como referência o caderno de prova branco).

A prova foi criticada por congressistas ligados ao setor agropecuário nas redes sociais. O deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG) disse por meio de seu perfil no X (ex-Twitter) que a questão 89 ataca o agro brasileiro, seus trabalhadores e produtores”. O deputado federal e produtor rural Rodolfo Nogueira (PL-MS) escreveu: “Qual a intenção daqueles que elaboraram uma questão tão leviana? Usar a educação para “impor mentiras” e ainda desrespeitar o agro. Um absurdo!”.

Tião Medeiros (PP-PR), deputado federal e presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara também pediu que as questões sejam anuladas. “Enquanto nós batalhamos dia a dia para construir uma imagem positiva do agronegócio, como pilar da economia, formador de mão de obra, gerador de renda, vem o Enem e nos joga contra a juventude do País”, afirmou no X.

Procurado pelo Poder360, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), órgão vinculado ao Ministério da Educação e responsável pelo Enem, disse em nota que não interfere nas ações dos colaboradores selecionados para compor o banco de questões. 

As questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) são elaboradas por professores independentes, selecionados por meio de edital de chamada pública para colaboradores do Banco Nacional de Itens (BNI). (…) O processo envolve as etapas de elaboração e revisão pedagógica dos itens, além de validação pelo trabalho de uma comissão assessora. Os itens selecionados para a edição de 2023 passaram pelo fluxo estabelecido nas normativas do BNI“, disse.

Eis abaixo a íntegra da nota do Inep: 

“As questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) são elaboradas por professores independentes, selecionados por meio de edital de chamada pública para colaboradores do Banco Nacional de Itens (BNI). O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) não interfere nas ações dos colaboradores selecionados para compor o Banco. O processo envolve as etapas de elaboração e revisão pedagógica dos itens, além de validação pelo trabalho de uma comissão assessora. Os itens selecionados para a edição de 2023 passaram pelo fluxo estabelecido nas normativas do BNI.”

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.