Filantropia é o novo horizonte na competitividade empresarial

Capitalismo ESG Sustentável
Para a articulista, enquanto os desafios ambientais se tornam mais prementes, a filantropia sustentável continuará a evoluir

A filantropia, associada à caridade e à beneficência, expandiu seu escopo para abordar questões complexas como a sustentabilidade ambiental, econômica e social. No século 21, a filantropia sustentável nas ONGs emerge como um poderoso motor de mudança no cenário ESG (governança ambiental, social e corporativa), do valor compartilhado, dos ODS-ONU (objetivos de desenvolvimento sustentável), entre outros, refletindo a crescente consciência sobre a urgência das crises climáticas e ambientais.

A conscientização e educação desempenham um papel significativo. Nos EUA e em países europeus, a sustentabilidade é amplamente discutida em instituições de ensino e mídia, estimulando a demanda por filantropia junto às ONGs.

No Brasil, embora haja progresso na conscientização ambiental, filantropia verde, a sustentabilidade na construção civil e/ou no agronegócio, por exemplo, não são temas cotidianos, levando à falta de demanda filantrópica.

As parcerias das iniciativas privadas com o terceiro setor americano, ou as europeias, impulsionam a sustentabilidade, incentivando a filantropia, e ampliando os seus negócios, melhorando a sua reputação. No Brasil, tais colaborações são menos comuns, limitando a filantropia sustentável. Essa ausência impacta na competitividade da indústria nacional.

Enquanto, nos EUA, as doações correspondem a 2% do PIB, no Brasil, equivale a somente 0,2%. No Brasil, as deduções às pessoas físicas são limitadas a 6% na Declaração de Imposto de Renda, com variações não muito significativas para pessoas jurídicas.  Nos EUA, as deduções às pessoas físicas ou às empresas podem chegar até a 60%. Relatórios do site Giving USA 2022 indicam que foram doadas a atividades filantrópicas US$ 484,85 bilhões em 2021.

A filantropia sustentável é diversificada. Reconhece a interconexão entre o ambiente e outros setores, como agricultura, desenvolvimento econômico, trabalho, turismo, dentre outros, e por isso, sua abordagem é muitas vezes interdisciplinar. Projetos filantrópicos sustentáveis buscam soluções sistêmicas, como cidades sustentáveis e agricultura regenerativa, que beneficiam tanto o planeta quanto as comunidades.

Apesar das diferenças, o Brasil tem potencial de crescimento na filantropia para melhorias e novos arranjos produtivos voltados à inovação no campo e construção sustentável, por exemplo. Conscientização crescente e metas de desenvolvimento sustentável podem impulsionar essa causa. O Cebis (Centro Brasileiro de Inovação e Sustentabilidade) lidera iniciativas, mas a necessidade de parcerias e patrocínios persiste.

A filantropia sustentável às ONGs é, sem dúvida, um elemento vital na luta contra as mudanças climáticas e na promoção de um futuro sustentável. Seu papel em conectar recursos substanciais com iniciativas inovadoras é indispensável, e seu potencial para inspirar ações e políticas em escala global é imenso. À medida que os desafios ambientais se tornam mais prementes, a filantropia sustentável continuará a evoluir, refletindo a necessidade de uma ação coletiva e consciente para proteger o planeta para as gerações futuras.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.