Fávaro diz que governo não vai concorrer com o arroz do RS

Carlos Fávaro no Palácio do Planalto
Fávaro disse que 70% do arroz consumido do Brasil é produzido pelo Rio Grande do Sul, que enfrenta consequências de fortes chuvas

O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, disse que o governo não pensa em concorrer com os produtores de arroz do Rio Grande do Sul, ao importar o produto para evitar especulação de preços. A declaração foi feita na 4ª feira (15.mai.2024) na Apas Show, em São Paulo, maior evento de bebidas e alimentos das Américas e a maior feira supermercadista do mundo.

“O objetivo da portaria não é concorrer com os produtores gaúchos. O governo não seria insensível de criar uma concorrência, fazer baixar o preço do arroz para o produtor”, disse o ministro. Ele afirmou que terá uma medida provisória em breve que dará benefícios aos produtores de arroz do RS.

Fávaro afirmou que temporariamente o país tem o risco da especulação do desabastecimento e por isso as medidas são cautelosas. O ministro ainda declarou: “Os produtores de arroz devem ficar tranquilos porque eles também terão medidas de incentivo. O governo está agindo de forma comedida, mas com total transparência e com olhar de futuro para os produtores brasileiros”.

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) informou  na 4ª feira que o arroz que o governo importará chegará ao consumidor brasileiro pelo preço máximo de R$ 4 o Kg. Além disso, no 1º leilão, marcado para 3ª feira (21.mai), serão adquiridas até 104.034 toneladas de arroz importado da safra 2023/2024.

“O arroz que vamos comprar terá uma embalagem especial do governo federal e vai constar o preço que deve ser vendido ao consumidor”, afirmou Edegar Pretto, presidente da Conab.

De acordo com Fávaro, a importação do arroz foi motivada para evitar o desabastecimento e a alta nos preços para o consumidor, já que 70% do grão consumido do Brasil é produzido pelo Rio Grande do Sul, que enfrenta consequências de fortes chuvas.

“Sei que o Rio Grande do Sul tem safra suficiente para atender o Brasil, mas o problema é o descasamento de prazos, de infraestrutura. Temos que ter a política pública de forma holística, olhar o Brasil como um todo. Mas em hipótese alguma desprestigiar ou querer baixar o preço do arroz para os produtores”, disse. Ele afirmou que na mesa da população o preço também não pode subir e ela “pagar um exagero por fruto de especulação selvagem no momento de tristeza”.

O ministro também declarou sobre a plantação de trigo para 2024 no Rio Grande do Sul. “Não está atrasada ainda a safra de trigo. Alguns produtores perderam o equipamento, outros têm problema de solo. Mas é possível sim [plantar trigo]. Nós não temos essa preocupação no momento. Acho que dá tempo ainda da gente começar a construção do plantio”, disse ele.

Com informações da Agência Brasil.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.