“Esperança Imortal” – Mensagem de Ano Novo do Bispo de Caicó, Dom Antônio Carlos Cruz Santos

Nesta virada do ano quero começar fazendo minhas as palavras do filósofo Mário Sérgio Cortella numa entrevista datada de 23 de dezembro de 2014. O entrevistador lhe pergunta o que dizer para uma pessoa que na noite de Natal não tem nada. Assim responde o filósofo:

“A coisa mais importante que você e eu podemos ter na vida quando não temos outra coisa é a esperança. Mas tem que ser esperança do verbo esperançar, pois tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Tem gente que diz eu espero que dê certo, eu espero que resolva. Esperançar, de onde vem a palavra esperança é ir atrás, é buscar, é não desistir, por isso você que nada tem mantenha a esperança. Albert Schweitzer, um estupendo médico do sec. XX, ganhou o Nobel da Paz em 1952 disse: “A tragédia não é quando um homem morre, a tragédia é aquilo que morre quando um homem ainda está vivo”. E o que não pode morrer é a esperança, a esperança do verbo esperançar, de buscar, de ir atrás. Por isso vale de novo Nelson Cavaquinho (Juízo Final):

O sol há de brilhar mais uma vez
A luz há de chegar aos corações
Do mal será queimada a semente
O amor será eterno novamente

É o Juízo Final
A história do Bem e do Mal
Quero ter olhos pra ver
A maldade desaparecer

Entramos num ano novo chamando esse “Menino que nos foi dado” de Jesus, que significa Deus Salva. Tendo-o como nosso único salvador e razão da nossa esperança, esperemos a paz, indo atrás, buscando, não desistindo, acreditando sempre que “outro mundo é possível”. Caminhemos “de esperança em esperança”, como nos ensinava o saudoso Cardeal Evaristo Arns no seu lema episcopal.

Feliz 2019!
+ Antonio Carlos Cruz Santos, msc (Maristelo)
Caicó, 31 de dezembro de 2018