Escola de dança do RN conquista prêmios em festivais nacionais

A escola Garcez Experimental de Dança foi criada em 2022, e já está colecionando conquistas significativas para o cenário potiguar de dança. Inspirada no folclore e na cultura popular brasileira, a Garcez foi premiada em festivais nacionais e já tem convites para apresentações internacionais, na Argentina e nos Estados Unidos. O projeto foi criado e é dirigido por Artur Garcez, experiente pesquisador e coreógrafo que já deu aula aos bailarinos do Teatro Bolshoi no Brasil.

A curta jornada da escola Garcez começou a ser reconhecida no Festival de Dança de Campina Grande/PB (FAC), realizado no começo de setembro, no qual as nove coreografias inscritas foram premiadas: seis 2º lugares e três 3º lugares. No Open Dance, grande evento organizado pela renomada coreógrafa Patrícia Spadacia, a escola potiguar registrou nada menos que 12 premiações – com destaque para a coreografia “Subindo as ladeiras de Olinda”.

Artur Garcez ressaltou que já recebeu duas cartas-convites para eventos internacionais: Festival de Danzas Mercosur, em Puerto Iguazu, na Argentina, e Dançando na Disney Universal Studio, em Orlando, no projeto Disney Perfom & Art, programa de jovens talentos da Disney. “Há uma possibilidade real, também, de fazer a abertura em um jogo da NBA, a liga profissional do basquete americano”, completou.

Criada no primeiro semestre deste ano, em Natal, a escola Garcez Experimental de Dança funciona no Studio Corpo de Baile e já conta com 34 bailarinos. A proposta para 2023 é lançar uma turma infantil e ampliar os grupos Júnior, Sênior, e Adulto. Com a experiência de 34 anos no Colégio Marista, onde idealizou e fundou o Grupo de Dança Popular da instituição, Artur já tem um projeto pré-aprovado para levar a dança popular às escolas da rede de ensino público de Natal.

Na agenda: em outubro, o Garcez Experimental de Dança vai estrear seu primeiro espetáculo de repertório: “Flor de Cactos”, já  em fase final de preparação, no Teatro Alberto Maranhão. A coreografia será baseada na linha Armorial, movimento que, segundo Artur Garcez, surgiu na década de 1970 e prioriza a valorização das artes populares da região Nordeste. A trilha sonora vai contar com músicas de Antônio Nobrega, Chico César, Luís Gonzaga e Maria Bethânia.

“Estou muito feliz nessa nova fase, com a Garcez Experimental de Dança. Um projeto onde vou dar continuidade aos trabalhos baseados nas danças populares brasileiras e suas vertentes, além de seus atravessamentos como a linha armorial, que comecei na Dança Educação na rede privada de ensino”, explicou Artur.