Entenda como as enchentes podem aumentar o risco de doenças como a leptospirose

Vale do Taquari foi uma das regiões mais afetadas pelas chuvas no RS
Vale do Taquari foi uma das regiões mais afetadas pelas chuvas no RS — Foto: Gustavo Ghisleni/AFP

Com a tragédia causada pelas fortes chuvas no Rio Grande do Sul, começaram a surgir casos de morte causadas pela leptospirose, doença bacteriana associada ao contato com água contaminada. A cidade de Travesseiro, no Vale do Taquari, registrou o primeiro óbito relacionado à doença, e outros três casos estão sendo monitorados pela rede de saúde local. O estado já registrou 19 casos confirmados de leptospirose nas últimas semanas.

A incidência de leptospirose aumenta após enchentes e alagamentos. Pessoas que tiveram contato com a água ou lama de enchentes e que apresentarem febre associada a dores de cabeça ou a dores musculares podem estar contaminadas.

A leptospirose é uma doença causada pela bactéria Leptospira , se hospeda em alguns animais, principalmente ratos e outros roedores. A infecção acontece pela exposição direta ou indireta à urina desses animais. A bactéria invade o organismo através de pequenas feridas na pele, nas mucosas ou em membros que ficam imersos em água contaminada.

Trata-se de uma doença infecciosa febril aguda, que, embora se manifeste de forma branda em algumas pessoas, pode causar quadros graves. A primeira fase dos sintomas dura cerca de 3 a 7 dias e geralmente se caracteriza pelo aparecimento repentino de febre, acompanhado de dor de cabeça, dor muscular, anorexia, náuseas e vômitos, o que dificulta o diagnóstico diferencial de outras doenças que se manifestam de maneira parecida, como a dengue. Na última fase dos sintomas, a depender da gravidade do quadro, o paciente poderá apresentar icterícia (a cor da pele fica amarelada), insuficiência renal e hemorragia, mais comumente pulmonar.

A prefeitura de Porto Alegre divulgou um comunicado informando que pessoas que tiveram contato com a água das cheias e inundações devem ficar atentas a possíveis sintomas da doença. A recomendação de atenção também é válida para profissionais de saúde, no atendimento a pacientes.

A Secretaria de Saúde do RS atenta para a necessidade de reforço nos cuidados, inclusive para o risco de dengue, por conta das enchentes.

“As enchentes são relacionadas a agravos imediatos como lesões de pele e infecções. Após alguns dias iniciam os agravos relacionados diretamente às enchentes como leptospirose, hepatite A, tétano e acidentes com animais peçonhentos. Por último, após as águas baixarem, podemos ter um aumento nos casos de dengue, casos as temperaturas favoreçam, pois criam-se depósitos nos entulhos deixados, que podem servir de criadouro. A orientação, nesses casos, é que a população elimine os criadouros, (dentro do possível, já que muitas vias públicas também estarão afetadas) não deixando água acumulada nos recipientes e eletrodomésticos que foram estragados e viraram entulho após a enchente”, informou Valeska Lizzi Lagranha, bióloga do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs).

Fonte: O Globo

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.