Empresário diz não ter ainda desistido do Carnaval da Ilha, mas reconhece dificuldades para viabilizar a festa

A empresa PlayRecords Music, sediada em Souza (Paraíba) vem encontrando dificuldades de realizar o Carnaval na Ilha de Santana de Caicó. Tanto que não pagou o boleto com o valor proposto e vencido na Licitação, cujo vencimento seria nesta quinta (21), nem também deu qualquer entrada do Projeto, no Corpo de Bombeiros.

O Blog do Marcos Dantas conversou com o empresário Tárcio Mendes, responsável pela empresa. Ele disse não ter ainda desistido do Carnaval da Ilha, porem reconheceu que o pouco tempo para organizar um carnaval do tamanho que Caicó merecia, vem sendo seu maior desafio.

Veja o que disse a empresa ao Blog:

Nosso prazo pra assinatura do contrato foi até hoje, só que o problema maior foi o TEMPO. Como é um evento de grande Porte, requer um espaço de tempo pra logística, pois envolve vários setores competentes como logística, marketing e financeiro, e prazos principalmente, aí tanto a nossa equipe que é formada por um conselho, deu tempo de formatar um bom projeto, aceitável, e seria ou será, pois ainda não desistimos do carnaval de caicó, como os empresários locais não acreditam mais no carnaval de Caicó, a PlayRecords MUSIC, acredita SIM!

Só que os nossos patrocinadores e parceiros precisam mais tempo para analisar e estudar o projeto, pois como o evento inclui artistas de nível Nacional e internacional, requer um espaço de tempo pra se concretizar, pois funciona assim, o protocolo (Projeto) é encaminhado para a AMBEV, Solar e Itaipava e outros parceiros, aí quem der a melhor proposta de parceria é que a gente fecha, pois varia de estado pra estado e de cidade pra cidade a logística, enfim! Resumindo!

Estamos tentando e fazendo o máximo que podemos pra se concretizar, pois consumimos os erros dos concorrentes, e achamos a solução, aí aguardar o governo também nos ajudar, nos dando mais prazos, que é o tempo que se concretize toda a logística, pois estamos fazendo tudo isso pelo município! Aí quem ganha é o folião, o município, o turismo, geração de emprego e renda… se depender da gente, já teríamos lançado a grade, só que estamos com dificuldades de apoio logístico por parte dos empresários locais”.