Dilma nega que dinheiro para o RS tenha sido aprovado por Bolsonaro

Dilma (foto) anunciou recursos do Brics para o Rio Grande do Sul
A presidente do NDB (Novo Banco de Desenvolvimento, na sigla em inglês), Dilma Rousseff

A presidente do NDB (Novo Banco de Desenvolvimento, na sigla em inglês), Dilma Rousseff, disse nesta 3ª feira (21.mai.2024) que os recursos destinados ao Rio Grande do Sul “não foram aprovados na vigência do governo Bolsonaro”. Em 16 de maio, o Poder360divulgou que mais da metade do US$ 1,1 bilhão (o equivalente a R$ 5,8 bilhões) anunciado para ajudar na reconstrução do Estado já estava acertada em contratos assinados pela instituição com o governo brasileiro de 2020 a 2023.

Ao contrário do que insinuam expoentes da extrema-direita brasileira, os recursos anunciados há uma semana por Dilma Rousseff não foram aprovados na vigência do governo Bolsonaro. As operações para a concessão de empréstimo são bem mais recentes. A mais antiga é de novembro de 2023. A mais nova, de março deste ano”, lê-se em publicação no perfil de Dilma no X (ex-Twitter). 

Segundo o post de Dilma, US$ 995 milhões são operações feitas sob a sua gestão no NDB: US$ 500 milhões do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e US$ 295 milhões do BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul) “são de operações aprovadas, respectivamente, em 14 de novembro de 2023, pelo Senado Federal, e em março de 2024, pela Comissão de Financiamentos Externos do Ministério do Planejamento”.

Outros US$ 200 milhões “dependem de projetos a serem submetidos pelas autoridades brasileiras” ao chamado banco dos Brics. “Ou seja, são operações ainda mais recentes”, declarou a assessoria de Dilma. 

Quanto às operações ‘antigas’ –US$ 100 milhões do BB e US$ 20 milhões do BRDE– ambas foram direcionadas exclusivamente agora para o Rio Grande do Sul”, acrescentou. 

Veja a publicação (leia a íntegra da nota no fim do post): 

O NDB, mais conhecido como banco dos Brics, tem sede em Xangai, na China, e foi criado em 2015. A instituição serve como uma alternativa ao Banco Mundial e ao FMI (Fundo Monetário Internacional). Tem como integrantes: Brasil, Rússia, China, Índia, África do Sul, Bangladesh, Emirados Árabes, e Egito.

Conforme mostrou o Poder360, mais da metade do valor anunciado pelo NDB foi apenas realocada. O modelo adotado para os repasses é anterior à sua gestão. O montante faz parte de projetos assinados entre banco dos Brics com o BNDES, Banco do Brasil e o BRDE.

Do total:

Integrantes do governo Bolsonaro alegam que os US$ 250 milhões citados foram aprovados durante o governo anterior. O valor, no entanto, é parte de um contrato com o BNDES, aprovado pelo banco multilateral em 2020, mas só referendado pelo Senado brasileiro em 2023, já durante o governo Lula.

Há ainda uma nova linha de crédito, no valor de US$ 295 milhões, para o BRDE, que está em tramitação final e deve ser concluída nas próximas semanas. Devido ao trâmite, esse dinheiro deverá demorar mais para ser repassado.

O único montante novo de fato são os US$ 200 milhões que Dilma informou que serão repassados pela instituição diretamente ao governo do Rio Grande do Sul. Como declarou a presidente do NBD no X, a liberação do dinheiro depende da preparação de projetos e, por isso, também irá demorar para chegar de fato aos gaúchos.

Saiba mais na reportagem do Poder360.

Leia a íntegra da nota divulgada nesta 3ª feira (21.mai.2024) pela assessoria de Dilma Rousseff:

“Nota à imprensa

“1. A assessoria de imprensa de Dilma Rousseff, presidenta do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), esclarece alguns detalhes das operações de empréstimo anunciadas para o enfrentamento da calamidade pública no Rio Grande do Sul, em razão das cheias e fortes chuvas.

“2. Ao contrário do que insinuam expoentes da extrema-direita brasileira, os recursos anunciados há uma semana por Dilma Rousseff não foram aprovados na vigência do governo Bolsonaro. As operações para a concessão de empréstimo são bem mais recentes. A mais antiga é de novembro de 2023. A mais nova, de março deste ano.

“3. Do total de US$ 1,115 bilhão para o Rio Grande do Sul, US$ 795 milhões — US$ 500 milhões do BNDES e US$ 295 milhões do BRDE — são de operações aprovadas, respectivamente, em 14 de novembro de 2023, pelo Senado Federal, e em março de 2024, pela Comissão de Financiamentos Externos do Ministério do Planejamento.

“4. Cabe ainda destacar que outros US$ 200 milhões anunciados pela presidenta Dilma Rousseff, que serão investidos diretamente pelo NDB, dependem de projetos a serem submetidos pelas autoridades brasileiras ao chamado Banco dos BRICS. Ou seja, são operações ainda mais recentes. 

“5. Do total, US$ 995 milhões são operações feitas sob a gestão de Dilma Rousseff. Quanto às operações “antigas” — US$ 100 milhões do BB e US$ 20 milhões do BRDE — ambas foram direcionadas exclusivamente agora para o Rio Grande do Sul. 

“6. Por fim, é necessário apontar as duras condições financeiras em que Dilma recebeu o NDB, ao assumir o cargo em abril de 2023.  Um banco só empresta e faz investimentos com recursos que levanta no mercado. Ora, sob a gestão anterior, conduzida pelo indicado à presidência do Banco dos BRICS pelo governo Bolsonaro, o NDB não fez nenhuma emissão de títulos no mercado de capitais em dólar durante 15 meses — de dezembro de 2021 a março  de 2023. Os títulos em yuan também não foram emitidos ao longo de sete meses. 

“7. Até Dilma Rousseff assumir a presidência, o NDB enfrentava uma séria crise de liquidez. A capacidade de apoiar novos investimentos para os membros — além do Brasil e os demais sócios do banco — permaneceu extremamente limitada pela falta dos recursos para investir, justamente em um momento em que os países mais precisavam destes novos recursos. 

“8. Foi apenas sob a direção de Dilma Rousseff que o NDB superou a restrição de liquidez. Desde sua chegada, o banco voltou ao mercado de capitais inúmeras vezes. A própria agência de risco Fitch (https://fitchratings.com/entity/new-development-bank-96664712) reconheceu a superação dos problemas de liquidez e mudou a perspectiva de risco do NDB de “negativa” para “estável”. Ao longo de 2023 até maio de 2024, o Banco dos BRICS levantou US$ 9 bilhões.

“9. O NDB é agora um banco bem capitalizado e pouco alavancado, com uma fila de projetos de financiamento para os seus sócios. E continua indo ao mercado. O Banco dos BRICS priorizou o Rio Grande Sul pelo seu compromisso com o enfrentamento de desastres naturais e pela solidariedade ao povo gaúcho neste momento de crise.

“10. Ainda sobre as condições de operação do NDB, cabe esclarecer que o antecessor deixou o banco, em Xangai, em março de 2022, e não mais retornou até deixar a presidência do Banco dos BRICS, em 24 de março de 2023. 

Assessoria de Imprensa

Dilma Rousseff”

Leia mais sobre:

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.