Desmatamento sobe na fronteira da Mata Atlântica com Cerrado e Caatinga

Desmatamento na Mata Atlântica avançou em áreas de transição para outros biomas
Queda no desmatamento da Mata Atlântica foi de 27% em 2023, mas regiões de fronteira tiveram alta; na imagem, divisa entre Formosa do Rio Preto, na Bahia, e Sebastião Barros, no Piauí

O desmatamento na Mata Atlântica aumentou em áreas de transição e encraves do bioma no Cerrado e na Caatinga em 2023. Segundo o SAD Mata Atlântica, o desmatamento cresceu de 74.556 para 81.356 hectares. O número equivale a mais de 200 campos de futebol desmatados por dia. O estudo analisa áreas a partir de 0,3 hectare.

No quadro geral, segundo o Atlas da Mata Atlântica, o desmatamento no bioma caiu 27% no mesmo período em áreas superiores a 3 hectares em florestas maduras. O estudo mostra que o desmatamento foi de 20.075 hectares para 14.697 em 1 ano.

A Fundação SOS Mata Atlântica afirmou que, apesar dos estudos mostrarem números conflitantes, ambos apontam uma tendência de desmatamento na Mata Atlântica e aumento nas transições e em encraves de outros biomas. O SAD destaca o aumento das derrubadas em encraves no Cerrado e na Caatinga, principalmente na Bahia, Piauí e Mato Grosso do Sul. O desmatamento se deu majoritariamente onde há expansão agrícola.

Em relação à queda do desmatamento, os dados do Atlas mostram que a redução predominou na maioria dos 17 Estados abrangidos pela Mata Atlântica, com exceção do Piauí, Ceará, Mato Grosso do Sul e Pernambuco.

Apesar de Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina estarem regularmente entre os Estados que lideram o ranking de derrubada, segundo o estudo, em 2023 eles se destacaram positivamente, com quedas de 57%, 78% e 86% nas taxas, respectivamente.

Para o diretor-executivo da SOS Mata Atlântica, Luís Fernando Guedes Pinto, “a redução no desmatamento na área contínua em parte da Mata Atlântica é um sinal encorajador de que as políticas de conservação e o monitoramento intensivo estão produzindo resultados positivos”.

Luís Fernando também afirmou que ainda é preciso um olhar integrado para todos os biomas para zerar o desmatamento e priorizar a restauração florestal. Caso contrário, segundo ele, as crises do clima e da biodiversidade continuarão a se intensificar.

“De nada adianta puxar o lençol para a cabeça e descobrir os pés. Menos floresta representa mais desastres naturais, epidemias e desigualdade. Para a agricultura, significa também quebras de safra recorrentes. Qual é o sentido de termos tanta área agrícola se não conseguimos manter a saúde dos ecossistemas que sustentam a produção?”, declarou o diretor-executivo.

O Atlas da Mata Atlântica é coordenado pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O SAD Mata Atlântica é uma parceria entre a fundação e o MapBiomas.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.