De­pu­ta­dos federais do PSL, PT e PSB usam ver­ba pú­bli­ca pa­ra fa­tu­rar com YouTu­be

O Estado de S. Paulo traz neste domingo (12), uma reportagem que chama a atenção. A pre­tex­to de di­vul­gar a ati­vi­da­de par­la­men­tar, de­pu­ta­dos fe­de­rais es­tão usan­do re­cur­sos pú­bli­cos pa­ra ge­rir ca­nais “mo­ne­ti­za­dos” no YouTu­be, pe­los quais re­ce­bem pa­ga­men­tos de acor­do com a vi­su­a­li­za­ção de ví­de­os. Eles con­tra­tam em­pre­sas com di­nhei­ro da co­ta par­la­men­tar e usam as­ses­so­res pa­gos pe­la Câ­ma­ra pa­ra ge­rir os ca­nais. O YouTu­be não in­for­ma o va­lor dos pa­ga­men­tos. Res­pos­tas “Em ne­nhum mo­men­to es­tou di­zen­do que que­ro ter lu­cro com o YouTu­be. Es­tou di­zen­do que, even­tu­al­men­te, se o di­nhei­ro fos­se pa­ra co­brir um rom­bo do man­da­to, eu acho que não é imo­ral.”

DE­PU­TA­DA FE­DE­RAL (PSL-SP) Car­la Zam­bel­li “Não há imo­ra­li­da­de ou im­pro­bi­da­de.”  DE­PU­TA­DA FE­DE­RAL (PT-PR) “Os gas­tos são di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­dos com a ati­vi­da­de par­la­men­tar, ine­xis­tin­do qual­quer des­vio de fi­na­li­da­de.”  AS­SES­SO­RIA DE IM­PREN­SA DE JOI­CE HAS­SEL­MANN (PSL-SP) Glei­si Hoff­mann De­pu­ta­dos da ba­se go­ver­nis­ta e da opo­si­ção trans­for­ma­ram a di­vul­ga­ção da ati­vi­da­de na Câ­ma­ra num ne­gó­cio pri­va­do. Eles re­cor­re­ram a em­pre­sas con­tra­ta­das com di­nhei­ro da co­ta par­la­men­tar e as­ses­so­res pa­gos pe­la Ca­sa pa­ra ge­rir ca­nais mo­ne­ti­za­dos no YouTu­be, com ví­de­os que ar­re­ca­dam re­cur­sos de acor­do com o nú­me­ro de vi­su­a­li­za­ções. A prá­ti­ca vem sen­do cha­ma­da de “to­ma lá, dá cá” nos cor­re­do­res do Con­gres­so.

O Es­ta­dão iden­ti­fi­cou ao me­nos se­te par­la­men­ta­res que es­tão ga­nhan­do di­nhei­ro des­sa for­ma. A de­pu­ta­da Car­la Zam­bel­li (PSL-SP) é uma de­las. Em ju­nho ela gas­tou R$ 4 mil da co­ta par­la­men­tar com uma fir­ma que tra­ba­lha na edi­ção do con­teú­do que pos­ta. O al­can­ce dos ví­de­os ge­rou a Car­la R$ 23.702, dos quais diz ter re­ce­bi­do já R$ 15,1 mil do YouTu­be.
Além de­la, os de­pu­ta­dos Joi­ce Has­sel­mann (PSL-SP), Bia Ki­cis (PSL-DF), Oto­ni de Pau­la (PSC-RJ), Pau­lo Pi­men­ta (PTRS) e Flor­de­lis (PSD-RJ) tam­bém con­tra­ta­ram em­pre­sas com di­nhei­ro da co­ta par­la­men­tar pa­ra fa­zer edi­ção e mon­ta­gem dos ví­de­os apre­sen­ta­dos em seus ca­nais no YouTu­be. Já Glei­si Hoff­mann (PT-PR) re­cor­reu a as­ses­so­res pa­gos pe­la Câ­ma­ra pa­ra man­ter seu ca­nal. Des­tes, ape­nas Pi­men­ta e Oto­ni de Pau­la dis­se­ram à re­por­ta­gem ter de­sis­ti­do da mo­ne­ti­za­ção. Os úni­cos de­pu­ta­dos que in­for­ma­ram ao jor­nal qu­an­to te­ri­am re­ce­bi­do fo­ram Oto­ni, Glei­si (R$ 32,3 mil) e Car­la. Pro­cu­ra­do pe­la re­por­ta­gem, o YouTu­be não in­for­mou os va­lo­res re­pas­sa­dos aos par­la­men­ta­res, ale­gan­do si­gi­lo de in­for­ma­ção. Es­se di­nhei­ro que vai pa­ra o bol­so dos de­pu­ta­dos não é al­vo de fis­ca­li­za­ção e con­tro­le da Câ­ma­ra. A ins­ti­tui­ção não in­clui a prá­ti­ca, que é no­va, na lis­ta de ir­re­gu­la­ri­da­des.