Denúncias de antissemitismo crescem 1.000% depois da guerra

Claudio Lottenberg

Os casos de antissemitismo no Brasil dispararam depois do início da guerra entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza. Segundo dados da Conib (Confederação Israelita do Brasil) e da Fisesp (Federação Israelita do Estado de São Paulo), houve um aumento de 961,36% no mês de outubro em comparação ao mesmo mês do ano passado.

Foram 467 denúncias registradas pelo Departamento de Segurança Comunitária da Conib contra 44 em outubro de 2022. Se considerado o acumulado do ano, de janeiro a outubro, o aumento é de 133,6%.

Eis as principais manifestações registradas pela organização:

Segundo o presidente da Conib, Claudio Lottenberg, houve 2 casos de agressão física registrados no mês. Todas as denúncias, disse, são enviadas ao Ministério Público para apuração legal.

Por trás desses números, crianças que sofrem bullying na escola, estudantes ofendidos em universidades, professoras que receberam mensagens saudando o grupo terrorista Hamas, mães e pais de família constrangidos com palavras discriminatórias por vizinhos, e muitos, muitos, comentários antissemitas, de apologia ao nazismo e ameaças de morte pelas redes sociais”, disse Claudio Lottenberg.

O embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine, o Brasil não está isolado nessa situação. Há um contexto global de aumento nos ataques a judeus fora da Israel. “No mundo todo o fenômeno tem aumentado. Judeus devem poder viver em segurança, não sob constante estado de tensão“, disse.

Fonte: Poder360