Cotado à PGR falou com Lula sobre ser “ultracatólico”

Paulo Gonet
O subprocurador Paulo Gonet (foto) ocupa o cargo de vice-procurador-geral eleitoral e foi responsável pelo parecer do órgão favorável a inelegibilidade de Jair Bolsonaro (PL)

Cotado para a PGR (Procuradoria Geral da República), Paulo Gonet conversou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre críticas por parte da esquerda por ser “ultracatólico”. Segundo apuração do portal Metrópoles, ele só não será indicado ao cargo de procurador-geral da República caso surja “algo novo“.

Conforme a publicação, Gonet e Lula conversaram há algumas semanas no Palácio do Planalto. O subprocurador teria dito: “Presidente, querem me descredenciar porque eu sou muito religioso. Preciso dizer ao senhor que sou e que não vejo demérito nisso”.

Gonet tem 62 anos e é doutor em direito, Estado e Constituição pela UnB (Universidade de Brasília). É fundador, junto ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, do Instituto Brasiliense de Direito Público, atual IDP (Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa), em Brasília.

Atualmente, ocupa o cargo de vice-procurador-geral eleitoral e foi responsável pelo parecer do órgão favorável a inelegibilidade de Jair Bolsonaro (PL). O nome do subprocurador recebeu apoio dos ministros da Corte Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes para o cargo.

O mandato de Augusto Aras como procurador-geral da República venceu em 26 de setembro. Desde então, o cargo é ocupado de forma interina pela subprocuradora-geral Elizeta Ramos.

O tempo de espera para a indicação de um substituto já é 10 vezes maior que o recorde anterior –quando Dilma Rousseff (PT) levou 4 dias para indicar Rodrigo Janot a partir do término do mandato de Roberto Gurgel. É o maior tempo sem um procurador oficial no cargo desde a promulgação da Constituição Federal de 1988.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.